"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

domingo, 23 de dezembro de 2018

Boas Festas!!!

Desejamos a você, nosso leitor, que as festas de final de ano sejam uma comemoração pelas conquistas deste ano e ao mesmo tempo, uma ação de otimismo para que em 2019 você continue a progredir, aproveitando as chances de praticar todos os ensinamentos que o Natal nos faz lembrar que existem.

Um Feliz Natal!
Feliz 2019!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Estações do ano e sexo! Tem a ver?

Sim, alguns homens podem ter a sua vida sexual comprometida, dependendo da estação do ano. Conhecida com Desordem Afetiva Sazonal (DAS), esse tipo de distúrbio de comportamento pode gerar depressão, queda do libido, dificuldade de ereção, fadiga, insônia (ou sono em excesso), ganho ou perda de peso, dificuldade de concentração. Essas são algumas das manifestações observadas nas pessoas afetadas pela DAS.

Na maioria das vezes a desordem se manifesta no inverno e no outono, mas às vezes pode ocorrer também tanto na primavera, como no verão. Tudo parece estar relacionado à exposição solar, que tem papel importante na produção corporal de hormônios como melatonina e serotonina.

Além de queda de libido e dificuldade para ereção, o homem pode se sentir cansado e indisposto para uma relação sexual, podendo apresentar dificuldade para ter o orgasmo. E o quadro pode ser agravado se há alguma terapia associada, como para depressão, pois sabemos que alguns antidepressivos podem afetar o comportamento sexual.

Como tratamento, que é sempre individualizado para cada paciente, opções como fototerapia, terapia cognitiva comportamental e alguns tipos de antidepressivos costumam oferecer bons resultados, mas é importante ter conhecimento desse tipo de distúrbio e procurar um médico para uma avaliação específica de cada caso.

E algumas mudanças de hábito também podem fazer bem, como socializar-se mais com os amigos, conversar com o parceiro sobre esses sintomas, atividade física regular e manter a intimidade sexual com o parceiro com masturbação, beijos, carícias.

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Como o tratamento do câncer de próstata pode afetar a vida sexual do homem gay.

Impotência sexual, queda do libido, problemas com o orgasmo, alteração na ejaculação, são ocorrências frequentes após um tratamento de câncer na próstata. Parece que esses problemas afetam de forma diferente homens gays e heterossexuais.

A relação com penetração anal exige que haja uma boa rigidez peniana do ativo. O impacto na qualidade da ereção vai comprometer o ato sexual.  Se o homem ativo do casal, quando há essa divisão, não consegue ter uma boa ereção, ele talvez tenha que passar a ser o passivo e nem sempre essa mudança é confortável para o casal.

Homens passivos também podem passar a ter problemas decorrentes de um tratamento com radioterapia, que pode causar lesões no ânus e gerar dores fortes na região durante a penetração, muitas vezes impedindo o ato sexual. E muitas vezes a retirada da próstata por uma cirurgia, pode comprometer o prazer sexual do homem passivo.

Homens gays com impotência sexual e dor anal podem ter a vida sexual totalmente comprometida, quando o ato de penetração é importante. Mas sabemos que há muitos casais que se relacionam, sem penetração, atendo-se ao sexo oral e à masturbação. Nesse caso, desordens de ejaculação podem ser um problema quando para um parceiro, é importante  ver a ejaculação ocorrer e num tratamento de câncer de próstata, o homem pode parar de eliminar esperma ao ter o orgasmo.

A qualidade do orgasmo também pode mudar, muitas vezes se tornando menos prazerosa, mais difícil de ser atingida e algumas vezes acompanhada do escape de urina.

Todos esse possíveis problemas citados, podem ter um impacto emocional sobre a vida sexual do homem que foi submetido ao tratamento do câncer de próstata. Ansiedade, depressão, baixa auto-estima vão contribuir para uma piora no desempenho sexual. Sem contar que muitos homens gays não se sentem confortáveis em expor a sua sexualidade para os seus médicos, o que piora mais ainda.

É importante que homens afetados por essas situações procurem ajuda, uma vez que avaliação emocional e tratamentos médicos, podem ajudar o homem a contornar essas situações e trazer de volta uma vida sexual adequada ao novo estado de saúde.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

NOVEMBRO AZUL! Prevenção do câncer de próstata.

Novembro é o mês de se fazer a campanha do câncer de próstata e você, homem, deve avaliar se já não é o caso de procurar um urologista, para fazer os exames preventivos que podem diagnosticar um câncer na próstata, que está lá quieto, silencioso.

Como já foi comentado neste blog em postagens anteriores, o homem gay por na maioria dos casos ter vários parceiros sexuais, e portanto mais exposto às Doenças Sexualmente Transmissíveis, está mais sujeito a apresentar um câncer na próstata.

Quem deve procurar um urologista?

1) Homens afrodescendentes acima dos 45 anos, já que nesse grupo a incidência da doença é mais frequente.

2) Homens acima dos 45 anos com histórico de câncer de próstata na família (pai, avô, irmãos, tios). Homens obesos, uma vez que a obesidade aumenta o risco para se ter câncer na próstata.

3) Homens sem antecedentes familiares e que não participam das situações citadas acima, após os 50 anos.

O que será feito?

Primeiro o urologista irá conversar com você, objetivando colher dados que possam já fazê-lo suspeitar da possibilidade do câncer estar presente. Irá perguntar sobre os seus hábitos de micção, avaliar a qualidade do jato de urina que você apresenta ao urinar e tentar descobrir algum antecedente de doença urológica.

Depois o urologista fará o exame físico e é nesse momento que ocorrerá o exame de próstata, através do toque retal, com a introdução do dedo pelo ânus.

E por último ele avaliará, e provavelmente solicitará, exames complementares: ultrassonografias, exames de sangue (PSA- Prostatic Specific Antigen), de urina e eventualmente uma Ressonância Magnética da próstata.



Ao final da consulta, nós urologistas na maioria das vezes já temos noção se é um caso suspeito, ou não, de câncer na próstata. Mas serão os exames complementares que permitirão nos orientar sobre o diagnóstico final. Então, não deixe de retornar em consulta com os exames, mesmo que você considere que os resultados foram normais (hoje em dia a maioria dos pacientes tem acesso aos resultados dos exames antes mesmo dos médicos).

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Tireoide e disfunção sexual: saiba mais.

A tireoide é uma glândula que tem um formato parecido a de uma borboleta e que fica no pescoço, na frente da garganta. Essa glândula pode apresentar disfunções que causam impacto na vida de um ser humano, inclusive no ato sexual.
Hipotiroidismo é quando a glândula produz menos hormônio do que deveria e hipertireoidismo é quando produz demais.

Homens com doença na tireoide podem ser afetados da seguinte forma:

1) Demora para ejacular, conhecida como ejaculação retardada, quando há uma diminuição na produção dos hormônios (hipotireoidismo)

2) Ejaculação rápida, mais conhecida como ejaculação precoce, quando há uma produção aumentada dos hormônios (hipertireoidismo)

Acredita-se que a desordem na produção dos hormônios da tireoide também possa afetar a produção do hormônio masculino, testosterona, impactando na performance sexual.

Também poderia afetar a produção de outro hormônio, a prolactina, que também está envolvida nos mecanismos do desejo sexual.

Sem contar que a má produção de hormônios pela tireoide pode cursar com queixas de ansiedade, desânimo, depressão e alterações do metabolismo corporal afetando a pressão sanguínea e os batimentos cardíacos.

Felizmente, o tratamento das condições de hipo e hipertireoidismo, costumam regularizar as queixas relacionadas ao comprometimento do desempenho sexual

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Câncer de próstata e sexo.

Mais pesquisas são necessárias para se saber o motivo, mas sabe-se que há uma relação entre atividade sexual e aparecimento do câncer de próstata. Quanto mais tarde for o inicio da vida sexual do homem, assim quanto menor for o número de parceiros que um homem teve, menor é o risco para o aparecimento do câncer, segundo levantamentos realizados. E sabe-se que a frequência de ejaculações também é uma influência, sendo que ejaculações mais frequentes (2 a 4x/ semana) diminuem o risco para o aparecimento do tumor. Clique aqui e leia mais sobre o assunto.

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Menopausa masculina.

Não existe menopausa masculina como a que ocorre na mulher. Mas a partir dos 30 anos, o homem começa a ter uma diminuição na produção do hormônio masculino testosterona. E por esse motivo, que a "menopausa masculina" é mais denominada de síndrome da deficiência de testosterona ou deficiência androgênica ou Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino.

Ao contrário da mulher, a diminuição da produção da testosterona nem sempre leva à esterilidade e mesmo em idade avançada, o homem tende a permanecer fértil e pode assim gerar filhos.

As queixas mais frequentes do homem com deficiência de testosterona, são: queda do libido, dificuldade para a ereção, desânimo e/ou depressão, variação de humor, fadiga, dificuldade para dormir, perda de massa muscular e óssea, crescimento das mamas. Entretanto, nem todos os homens referem essas queixas.

Porém, nem sempre essas queixas são apenas decorrentes da diminuição da produção de testosterona. Situações especiais, como efeito colateral de alguns medicamentos, mal funcionamento da glândula tireoide, apneia do sono, também podem acarretar as mesmas queixas e por isso, diante de tais situações o homem deve ouvir um aconselhamento médico.

No caso da deficiência de testosterona, paralelo ao tratamento para normalizar os níveis (gel tópico, via oral, injetável), mudanças de estilo de vida podem aliviar essa queixas, tais como atividade física, melhorar a qualidade do sono, ingesta de alimentos mais saudáveis, ações que diminuam o estresse e ajuste de medicamentos que possam estar contribuindo para as queixas.

Se você ouvir a expressão "menopausa masculina", esqueça tudo que te remeta à ideia do quadro na mulher, mas tenha ciência de que com o envelhecimento, ocorre diminuição da produção de testosterona e podem aparecer sintomas como os relatados acima.

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Medicamentos e impotência sexual.

A impotência sexual pode ser decorrente da terapia com alguns medicamentos. Sabemos que cada vez mais na vida moderna,inicia-se uma terapia para ansiedade e/ou  depressão. Essa postagem vai listar alguns medicamentos que têm como efeito colateral, problemas no ato sexual.

1) Ansiolíticos (ex= Rivotril)
2) Anti-epiléticos (ex= Gardenal)
3) Antidepressivo (ex= Prozac)
4) Anti-histamínico (ex= loratadina)
5) Antipsicóticos (ex= clorpromazina)
6) Benzodiazepínicos (ex= Lorax)
7) Drogas para controle da pressão arterial elevada, incluindo os diuréticos
8) Quimioterapia oral
9) Medicamentos com estrogênio
10) Finasterida
11) Anti-inflamatórios não-esteroides (ex= diclofenaco)
12) Drogas para controle da Doença de Parkinson
13) Opioides (ex= Tramal)
14) Drogas para tratamento do câncer de próstata.
15) Bebida alcoólica e drogas de uso recreacional (ex= maconha, cocaína, heroína, nicotina)

Muitos dos medicamentos acima podem parecer óbvios causarem impotência sexual, mas muitos que são prescritos tão frequentemente e que parecem inofensivos, como os ansiolíticos cada vez mais prescritos, podem afetar a vida sexual do homem. Caso você venha observando dificuldade para ato sexual e esteja em uso de algumas das substâncias acima, aconselho conversar com o médico que te acompanha para relatar o problema

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Problemas que podem ocorrer na ejaculação.

Todo homem um dia vai enfrentar problemas para ejacular. Quanto mais cedo isso ocorrer, mais pode afetar a vida sexual dele. Veja abaixo, algumas desordens que podem afetar a ejaculação.

1) Ejaculação precoce: também chamada de ejaculação rápida, é a ejaculação que pode ocorrer assim que se inicia o ato sexual, mesmo antes da penetração. Pode se manifestar desde o primeiro ato sexual do homem ou posteriormente. Sabe-se que 30% dos homens um dia irá enfrentar esse problema, mas apenas 10% irá procurar auxílio médico para o tratamento.

2) Ejaculação retardada: é aquela que apesar de uma boa ereção e excitação, a ejaculação demora muito para acontecer. De 1 a 4% dos homens sofrem desse problema, podendo se manifestar desde o primeiro ato sexual ou passar a existir com o passar do tempo.

3) Anejaculação: o homem não consegue ejacular. Pode ser algo que acontece sempre ou sob certas circunstâncias.

4) Ejaculação retrógrada: é a ejaculação em que o esperma, após o orgasmo, migra para a bexiga ao invés de seguir o caminho do canal urinário e ser eliminado pelo pênis. O esperma é colocado para fora quando o homem urina. Os sinais que isso pode estar ocorrendo, seriam a diminuição progressiva do volume ejaculado, assim como a pressão de saída do esperma.

As desordens de ejaculação podem acontecer isoladas ou em conjunto, por exemplo, ejaculação precoce e retrógrada. Toda desordem de ejaculação merece uma avaliação médica e o profissional que você primeiro dever procurar é o médico urologista.

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Anorexia sexual.

Sim, também existe anorexia para o sexo, ou seja, a pessoa vitimada, que tanto pode ser um homem como uma mulher, para de fazer sexo. Não quer de forma alguma ter sexo. É uma doença comportamental que pode ter como causa uma condição religiosa ou um trauma sexual (abuso, estupro, exposição vergonhosa), até mesmo uma traição amorosa. O sexo passa a ser preterido.

Comportamentos que podem ser observados em pessoas acometidas pela anorexia sexual:

1) Isolamento social, bloqueio às relações sentimentais.
2) Evitar qualquer situação relacionada ao sexo, com comportamentos muitas vezes autodestrutivos.
3) Medo do contato sexual.
4) Sentir vergonha das experiências sexuais já vividas.
5) Pavor de Doenças Sexualmente Transmissíveis.
6) Péssima imagem corporal de si próprio.
7) Sensação de inadequação ao sexo.
8) Obsessão pelo comportamento sexual das outras pessoas.

Anorexia sexual é uma doença que, quando existente, deve ser tratada como um distúrbio de comportamento e os profissionais mais indicados para se consultar, são os psiquiatras e psicoterapeutas.


terça-feira, 24 de julho de 2018

Masturbação e impotência sexual.

Masturbação pode levar à  impotência sexual? Esse é o assunto desta postagem.

Masturbação é uma prática comum de se proporcionar prazer e que não costuma causar nenhum dano físico ao pênis. Pode ser praticada sozinha ou com o seu parceiro, principalmente nas situações em que a  penetração não pode ser praticada, seja temporária ou permanentemente.

A masturbação não costuma levar à impotência sexual por lesões que envolvam nervos, hormônios e vasos sanguíneos do pênis , mas a forma como a masturbação é praticada pode causar alguns distúrbios comportamentais e assim, dificultar o ato sexual. As ereções no ato sexual podem não ser tão rígidas como na masturbação, assim como a excitação.

Por exemplo:

1) A forma como um homem se masturba pode levar a um estímulo do pênis que causa o orgasmo, onde num ato sexual esse mesmo homem não consegue. A força de uma mão, não necessariamente é a mesma do ato sexual, seja oral e/ou com penetração.

2) Os estímulos visuais que levam ao orgasmo pela masturbação ao ver sozinho um filme pornô, podem gerar uma dificuldade na hora do ato sexual, caso o parceiro não consiga satisfazer as fantasias sexuais que os vídeos sugerem. 

Nessas duas situações ensinar o seu parceiro a te masturbar do jeito que você curte e conversar sobre realizar as fantasias sugeridas pelos filmes pornôs, podem ser uma solução. Mas muitas vezes é necessário o auxílio de um terapeuta para ajudar esse homem com essas dificuldades, a encontrar o prazer também no ato sexual. 

terça-feira, 3 de julho de 2018

Dor de cabeça ao fazer sexo.

Dor de cabeça por sexo, são crises de dor desencadeadas no ato sexual com penetração anal e/ou vaginal, no sexo oral e no ato de masturbação. Normalmente não têm causa preocupante, são benignas e podem requerer uma avaliação médica.

Não se tem uma causa certa para que as dores de cabeça ocorram, mas uma possibilidade é que sejam causadas pela dilatação dos vasos sanguíneos no cérebro, que ocorrem durante a excitação no ato sexual.

Elas podem ir aparecendo aos poucos ou serem súbitas na hora do orgasmo. Podem durar apenas alguns minutos, horas ou dias. Podem ser esporádicas, mais frequentes ou até mesmo sempre que houver um orgasmo.

Ocorrem com maior frequência nos homens do que nas mulheres.

Como disse no início dessa postagem, tendem a ser benignas. Porém é aconselhável fazer uma avaliação médica, para descartar possíveis acidentes vasculares (derrame, no dito popular) com exames como tomografia e ressonância magnética da cabeça.

No caso das dores de cabeça serem muito frequentes e nada de sério ser diagnosticado, pode ser necessário um tratamento preventivo para eliminar o aparecimento deste incômodo.

terça-feira, 19 de junho de 2018

Ereções dolorosas durante o sono.

Ereções que se manifestam enquanto o homem dorme são frequentes, mas serem acompanhadas de dor forte é muito raro. E isso não significa que as dores aparecerão também nas ereções dos atos sexuais e/ou masturbação

Não há uma causa que explique o quadro, mas dificuldade para o relaxamento dos músculos(*) do baixo ventre e região perineal enquanto o homem dorme, pode ser um dos fatores. Não parece haver relação com impotência sexual ou níveis de testosterona no sangue ou qualquer outro tipo de doença pré-existente.

As ereções dolorosas noturnas prejudicam a qualidade do sono e podem levar aos distúrbios da privação do sono como ansiedade, fadiga, e irritabilidade. Podem ocorrer mais de uma vez na mesma noite e podem durar até mesmo uma hora.

O quadro é raro, de difícil tratamento. Não existe um tratamento padrão, mas movimentar-se ao acordar, manipular o pênis tentando o relaxamento, urinar, são medidas que podem contribuir para o alívio. Tudo indica que medidas que visem um relaxamento da musculatura citada mais acima(*), como o relaxante muscular baclofeno, podem trazer alívio, mas somente a curto prazo. 

Se você sofre desse mal, fique sabendo que o quadro é raro entre homens e oriento-o a passar por uma avaliação urológica.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Qual o tempo de um ato sexual.

Não existe uma regra que diga quanto tempo dura um ato sexual, mas há trabalhos que, baseados nas informações fornecidas por casais heterossexuais, definem um tempo médio entre a penetração do pênis e o orgasmo. A duração de um ato sexual varia de casal para casal e depende de algumas situações, como por exemplo: 

1) Preferências: enquanto alguns preferem atos mais rápidos, outros preferem os mais lentos.

2) Circunstâncias: casais jovens, muito atarefados podem preferir atos sexuais mais rápidos e quando em ambientes relaxados, podem permanecer o dia todo numa cama.

3) Idade e saúde: com o envelhecimento, homens podem necessitar de mais tempo para se excitar e para atingir o orgasmo.

4) Definição do "ato sexual": se um casal define que o ato sexual é enquanto há a penetração, sexo então dura poucos minutos. Mas no caso de serem consideradas as preliminares (beijos, sexo oral, toques, etc...), o ato sexual dura muito mais.

Mas voltando ao início dessa postagem, definindo-se que o tempo do ato sexual é desde o início da penetração até o orgasmo, após estudo de 500 casais heterossexuais, chegou-se à informação de que um ato sexual dura em média 5,4 minutos.

Mas o importante é que cada casal encontre o seu tempo para o ato sexual, não necessariamente tendo que ser sempre o mesmo, e que ao final ambos se sintam satisfeitos.


terça-feira, 15 de maio de 2018

Gays e casamento sem sexo.

Hoje a postagem vai tocar num assunto delicado, mas muito comum. E não é apenas no casamento entre homens, acredito que aconteça também no casamento entre mulheres e no casamento heterossexual. Como o blog é voltado para o homem gay, vai ser para esse casal que a postagem estará direcionada.

Já citei nesse blog várias vezes o quanto é importante a novidade para um homem, independente da orientação sexual, para que a libido se mantenha acesa. Novos parceiros são capazes de fazer um homem revigorar-se de uma tal forma que os impressiona. E no casamento, quando a fidelidade existe, a novidade vai acabando e, consequentemente, o ritmo sexual tende a diminuir.

E isso é um problema sem solução? Do meu ponto de vista e com a minha experiência em atender casais gays masculinos, não é um problema. Aliás, é muito frequente eu encontrar casais gays masculinos numa união já de anos, normalmente uns 05 anos já é suficiente, que já não existe sexo entre eles.

Os casais se mantêm unidos pela lealdade, pelo companheirismo, pelo amor e por um entrelaçamento de experiências riquíssimas. Alguns evoluem para um relacionamento aberto, outros trazem um terceiro companheiro para a vida conjugal, fixo ou não, e muitos permanecem sem sexo mesmo.

Mas em todos percebo que há uma união muito forte, que faz com que a vida sexual evolua por um outro caminho e que cada casal encontra a seu rumo. E se mantêm unidos. Então, caso o seu casamento venha passando por uma queda do ritmo sexual, ou até mesmo pela ausência dele, saiba que isso é uma realidade que constato no dia a dia da minha profissão. E te encorajo a encontrar, junto com o seu companheiro, uma rota alternativa. Não perca um companheiro de vida pelo fato do sexo estar diminuindo ou acabando. Pense no que estou escrevendo. Conheço casais que estão unidos há mais de 30 anos e todos eles relatam essas dificuldades e suas diversas soluções para essa situação.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Estilo de vida e boas ereções!

Já se sabe que qualidade de vida é um fator importante para que o homem tenha uma boa vida sexual, com boas ereções. É importante que sejam feitas mudanças de estilo de vida para que a saúde do pênis perdure.

Para que as ereções ocorram, é necessário que haja um bom fluxo de sangue para o pênis. A seguir, listo o que influencia a qualidade da ereção e que pode ser obtido com a mudança de alguns hábitos de vida:

1) Exercícios físicos: é comprovado que homens que se exercitam regularmente, desde que não haja doenças que impossibilitem isso, referem uma melhor qualidade de vida sexual. Os exercícios físicos contribuem para que haja um melhor fluxo de sangue para o pênis.

2) Peso corporal: homens obesos costumam apresentar, com maior frequência, queixas de impotência sexual. A obesidade tende a ser acompanhada de lesões nos vasos sanguíneos, há uma maior predisposição ao aparecimento do Diabetes (que também contribui para a impotência sexual), pode ser acompanhada de depressão e queda da auto-estima. Homens obesos que perdem peso, tendem a relatar uma melhora no desempenho sexual.

3) Tabagismo: não fume ou largue o vício. Comprovadamente o tabagismo compromete os vasos sanguíneos e interfere com as ereções. Quanto maior o número de cigarros, maior o dano. Homens que abandonam o tabagismo referem melhora do desempenho sexual. 

4) Dieta saudável: já são conhecidos os benefícios sobre a saúde dos vasos sanguíneos em homens que ingerem com regularidade frutas, verduras, peixes, grãos e azeite de oliva. Já se observa que homens com vida sexual saudável, incorporam à dieta diária esses tipos de alimentos.

5) Cuidado com o açúcar na dieta: a presença de níveis altos de açúcar no sangue aumenta o risco para se ter o Diabetes, condição clínica que, comprovadamente, leva à impotência sexual. Além dos danos aos vasos sanguíneos, altos níveis de açúcar no sangue podem comprometer os nervos envolvidos no ato da ereção e comprometer a produção de substâncias que participam no processo, como o óxido nítrico.

6) Controlar a pressão do sangue: níveis altos de pressão no sangue comprometem o fluxo de sangue no pênis e algumas drogas para o tratamento da hipertensão arterial, têm como efeito colateral a impotência sexual. Então, tome cuidado com a pressão do sangue.

7) Depressão: fique atento aos sinais que podem ser vistos em homens que sofrem de depressão. Além da depressão diminuir o desejo para o ato sexual, drogas utilizadas para o tratamento da doença, costumam levar a distúrbios de ereção.

8) Seja sexualmente ativo: estudos comprovam que quanto maior o número de relações sexuais, melhor a qualidade das ereções. O ato sexual frequente é um estímulo à boa saúde do pênis. Homens com o hábito de se relacionar no mínimo 1x/ semana, referem melhor vida sexual do que aqueles que têm um intervalo entre as relações maior que uma semana.

9) Ciclistas: cuidado! Já se sabe que homens que andam de bicicleta por muito tempo, apresentam danos ao fluxo de sangue para o pênis, uma vez que o selim da bicicleta comprime a região por baixo da bolsa escrotal (região perineal). Importante encontrar uma melhor forma de se apoiar ao selim ou até mesmo encontrar um, que comprima o mínimo possível essa região.

Então, mãos à obra! Se você já faz tudo isso, está garantindo uma boa vida sexual com o envelhecimento. Caso não, nunca é tarde para mudar!


terça-feira, 17 de abril de 2018

Vitamina D melhora a vida sexual do homem.

De acordo com um estudo recentemente publicado, homens que fazem uso de suplementos a base de Vitamina D podem observar uma melhora no desempenho sexual. Tudo indica que a deficiência de vitamina D no corpo do homem pode comprometer o desempenho sexual e esse estudo vem mostrar que há melhora com o uso de suplementos.

Observa-se que níveis elevados de vitamina D no corpo, são acompanhados também pela elevação do hormônio masculino, a testosterona. Homens em terapia com reposição de vitamina D passam a apresentar aumento dos níveis de testosterona no sangue e passaram a reportar melhora na qualidade das ereções.

Importante salientar que os suplementos só são indicados para normalizar os níveis de vitamina D baixos, encontrados em situações de deficiência. Homens que se alimentam de verduras verde-escuras, peixes, nozes, castanhas e se expõem ao sol com regularidade, dificilmente são deficientes em vitamina D. Nesse caso, o uso de suplementos com vitamina D pode acarretar problemas, como, por exemplo, a formação de pedras (cálculos) nos rins.

terça-feira, 3 de abril de 2018

Orgasmo seco, aquele sem a saída do esperma.

A definição de orgasmo seco é aquela em que ele ocorre sem que o homem ejacule, ou seja, não elimina o esperma. O maior problema dessa situação é que nesse caso o homem é estéril. Mas o orgasmo seco pode gerar problemas comportamentais, uma vez que para o homem gay a saída do esperma pode ser um fator a mais para o prazer sexual seu e de seu parceiro.

As causas mais comuns de orgasmo seco, são:

1) Cirurgias em que os órgãos que participam da produção do esperma (próstata e vesículas seminais) são retirados.

2) Cirurgias para tratar o crescimento benigno da próstata. Após esse tipo de  cirurgia, infelizmente a passagem do esperma na hora do orgasmo ocorre para a bexiga e não para o canal do pênis (o que se define como ejaculação retrógrada).

3) Uso de algumas medicações (finasterida/ dutasterida para o tratamento da queda de cabelos e aumento da próstata), antidepressivos e algumas drogas para o controle da pressão arterial do sangue.

4) Doenças e tratamentos que tendem a afetar os nervos envolvidos no processo do orgasmo, como Diabetes, Esclerose Múltipla, radioterapia na região do baixo abdome, lesão da coluna vertebral.

5) Obstrução dos ductos por onde o esperma passa.

6) Baixos níveis de testosterona, comprometendo a produção do esperma.

Na maioria das vezes o orgasmo seco não é seguido de queixas, mas homens que se preocupam com essa situação são aconselhados a pedir auxílio e passar por uma investigação médica para que seja feito a avaliação de uma possível reversão do quadro.

Como em algumas situações de orgasmo seco pode ocorrer uma pequena saída do esperma, o uso de preservativos é sempre indicado para controle de natalidade e impedir a transmissão de Doenças Sexualmente Transmissíveis.

terça-feira, 20 de março de 2018

Orgasmo pelo estímulo da próstata.

Nem todo homem consegue atingir o orgasmo pelo estímulo da próstata e mesmo os que conseguem, podem ter precisado de algum tempo para consegui-lo. Homens gays, principalmente os passivos, conseguem com muita frequência e os que não conseguem, procuram por auxílio para conseguir.

Muito importante lembrar que, ao contrário da vagina, a região anal não tem lubrificação própria e por isso é INDISPENSÁVEL  caprichar no uso de lubrificantes, preferencialmente aqueles à base de água e não glicerina.

A próstata é uma glândula do tamanho de uma noz, que fica abaixo da bexiga e na frente da porção do intestino chamada de reto. Não se sabe o porquê do orgasmo pelo estímulo da próstata, mas como ela é cercada de uma rede de nervos sensitivos, para alguns homens o estímulo desses nervos pode ser extremamente prazeroso e levar ao orgasmo. A função da próstata é produzir o líquido seminal e ajudar na eliminação dos espermatozoides.

As três formas de se levar a um orgasmo pelo estímulo da próstata envolvem a massagem da próstata:

1) Pelo parceiro sexual com o dedo preferencialmente protegido por uma luva de látex e bem lubrificado. O dedo é inserido no ânus e a próstata, quando localizada, é massageada pelo parceiro até o orgasmo ocorrer.

2) Utilizando brinquedos sexuais (os sex toys) que podem ser adquiridos em Sex Shops (reais ou virtuais), seja sozinho ou com o auxílio do parceiro. Já escrevi sobre isso e clique aqui para ler a postagem.

3) Pela penetração do pênis do parceiro que ao estimular a próstata dele, gera os estímulos considerados excitantes e que levam ao orgasmo.

Para que o orgasmo ocorra, é importante frisar que tem que haver contato, movimentos, pressão (mais ou menos intensa) de forma repetida da próstata. Como disse no início dessa postagem, atingir o orgasmo  pelo estímulo da próstata pode levar algum tempo, para que o homem se acostume e chegue lá. Um aconselhamento médico pode auxiliar a saber a forma correta de executar a massagem na próstata e levar a um orgasmo.

terça-feira, 6 de março de 2018

O pênis irritado!

Fico surpreso com a quantidade de leitores que me escrevem, preocupados com manchas e irritações que aparecem no pênis após um ato sexual. Vou tentar acalmar esse público, relatando algumas situações.

O ato sexual é algo que irrita muito o pênis, pois há fricção e exposição da glande a locais que podem ser agressivos só por estar ali. O uso de preservativos pode amenizar isso, mas muitos homens têm reação ao contato do pênis com o látex do preservativo e até mesmo aos lubrificantes e espermicidas muitas vezes adicionados aos mesmos. E com o atrito da penetração, essa irritação se torna mais potente.

Quando não há uso do preservativo, a exposição e a irritação é maior. No caso de uma penetração anal ainda há a exposição do pênis ao ambiente intestinal, colonizado por bactérias, cheio de fezes. O uso de lubrificantes diminui o atrito, mas não impede que ocorra a irritação.

É comum o pênis se apresentar avermelhado, muitas vezes com manchas e pintas avermelhadas, que podem permanecer até o dia seguinte do ato sexual. O normal é que, quando ocorrem, regridam espontaneamente se não houver outro ato sexual. O que pode amenizar essa irritação é um banho logo após o ato sexual e limpeza do pênis com água boricada antes de se vestir.

Mas se a irritação não regredir e começar a preocupar, o mais adequado é agendar um atendimento médico para orientações mais adequadas e eventuais tratamentos que se façam necessários.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Informações para pacientes cardíacos a respeito do uso de medicamentos e sexo.

Alguns medicamentos usados para controlar a pressão arterial no sangue e tratar doenças do coração, podem afetar o desempenho sexual. Caso isso aconteça, em hipótese alguma os pacientes devem deixar de tomar esses medicamentos. Devem se reportar aos seus médicos e relatar o problema. Os medicamentos podem ser trocados para tentar um menor impacto no desempenho sexual e o importante é priorizar a doença cardiológica.

Homens em terapia com drogas a base de nitratos (usados geralmente para as doenças obstrutivas das artérias do coração, as artérias coronárias) não devem fazer uso de drogas como Viagra, Cialis e/ou Levitra. Associados, esses medicamentos podem levar a uma queda importante, muitas vezes fatal, da pressão arterial do sangue.

Muitas vezes pacientes com doenças cardiológicas têm recomendação de outros tipos de tratamento para a disfunção erétil, como por exemplo, o uso de bombas a vácuo ou implantes de próteses penianas. Mudanças de hábitos que levam a uma melhor qualidade de vida costumam oferecer bons resultados também. 

Como a faixa etária dos leitores deste blog varia muito e muitos de vocês já se encontram em tratamento para as doenças relatadas nesta postagem, é importante que tenham conhecimento de todos esses riscos e possíveis condutas.


terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Casados e transando cada vez menos.

Se tem uma observação que faço com frequência no meu atendimento médico, é constatar a diminuição no ritmo sexual dos casais (independente da orientação sexual). A união prolongada com certeza mexe com a libido do homem, já que o homem é movido a novidades. E depois de muito tempo numa mesma união, a novidade acaba.

"Doutor, minha libido, meu tesão, está baixíssimo". Sim, é assim mesmo que os pacientes se expressam. Procuram ávidos por uma solução. Querem tomar logo alguma coisa para melhorar. Muitos já chegam até com a informação de terem tentado algumas terapias. O meu papel é identificar causas e tentar resolver o problema.

1) Dosar os hormônios, principalmente a testosterona (o hormônio masculino), é o primeiro passo. Diminuídos, a reposição se faz necessária.

2) Avaliar, através de questionário, a qualidade das ereções que o paciente apresenta, seja na hora do ato sexual, na masturbação, nas ereções espontâneas e aos estímulos visuais e virtuais. Ereções normais fora do ato sexual, geralmente indicam que os hormônios estão normais.

3) Tempo de relacionamento: na maioria das vezes é um dos fatores mais responsáveis pela queda do libido. O homem procura ser fiel por vários motivos e com isso, a diversidade vai embora e ela é responsável pela manutenção de uma libido em alta. Essa, na maioria das vezes, é a única causa para que homens casados tenham cada vez menos relações sexuais.

Rapidamente reuni acima as coisas que mais me ajudam a identificar o problema e ajudar quem me procura. E o que fazer? 

A) Repor hormônios se necessário.

B) Iniciar terapia com medicações que melhoram a qualidade de ereção, se necessário.

c) Quanto ao item número 3, sugiro que mudem a rotina. Se quer continuar num relacionamento onde fidelidade é essencial, inovem com viagens, surpresas e discutam o que poderiam fazer juntos para apimentar o relacionamento. Se estão dispostos a "abrir o relacionamento", sugiro que leiam a postagem "Homens gays e a fidelidade",  (clique aqui para acessá-la) quando expus, de forma mais detalhada, o que ajuda muitos casais a se manterem unidos por 20, 30, 40 anos.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Como um tratamento de câncer de próstata pode afetar a vida sexual do homem gay.

Problemas sexuais, do tipo queda do libido, alterações na ejaculação e dificuldade para atingir o orgasmo, são frequentes após um tratamento para a cura do câncer de próstata. E homens gays podem experimentar essas alterações diferentes do homem heterossexual.

A ereção para a penetração anal precisa ser rígida o suficiente para vencer o esfincter anal. Numa relação com penetração vaginal, muitas vezes uma ereção não 100% completa, permite o ato sexual, o que na penetração anal não. Muitas vezes o parceiro, antes sendo o ativo da relação, por falta de ereção passa a ser o passivo e nem sempre essa mudança ocorre ou ocorre sem desconforto.

Sem contar os problemas sensoriais que um tratamento de câncer na próstata pode causar. A radioterapia pode levar a um estreitamento do ânus e a penetração passa a ser muito dolorosa. A retirada da próstata numa cirurgia pode mudar o prazer do parceiro que é penetrado. Homens que se tornam impotentes e sentem dor anal, podem desistir da relação sexual por completo.

Também há as situações dos casais que não praticam a penetração. Praticam apenas sexo oral e/ou masturbação conjunta e nesse caso, desordens de ejaculação podem comprometer a qualidade do encontro sexual. Possível perda de ejaculação, ou diminuição importante do volume do mesmo, pode diminuir a satisfação. E alguns homens podem passar a ter perda de urina na hora do orgasmo, o que geraria um constrangimento para muitos homens. Alguns infelizmente não conseguem mais ter orgasmos.

Muitos homens após um tratamento de câncer de próstata experimentam distúrbios de ansiedade e depressão, que podem ser agravados, no caso do homem gay, quando ele não consegue falar livremente sobre a própria orientação sexual e as dificuldades sexuais enfrentadas com o parceiro. A perda da atividade sexual para um homem pode ter efeitos sérios e é importante que o paciente tenha com quem conversar abertamente sobre esses problemas, já que hoje em dia há muito a ser feito para ajudar nessas circunstâncias.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Mais um novo ano e você precisa se preparar para que ele comece bem.

Espero que as festas de final de ano tenham sido bem aproveitadas. Sempre cometemos alguns exageros e muitas vezes, relacionados ao nosso comportamento sexual. E por isso sempre é bom lembrar mais uma vez sobre o que deve ser feito do ponto de vista de saúde sexual, quando se faz parte de um grupo de risco para adquirir mais frequentemente Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), como é o caso do homem gay.

Já tem o seu médico urologista escolhido? Então agende uma consulta com ele para começar bem o ano e ter certeza e que está tudo certo com a sua saúde. Caso não conheça nenhum e/ ou nunca tenha precisado ir a um, converse com os seus amigos e pegue a indicação de um especialista com quem você possa ter uma conversa franca. É muito importante ter um médico que te escute e te atenda com respeito à sua orientação sexual.

Vale a pena começar o ano realizando exames de sangue, de urina e de esperma, além de passar por um exame físico que pode, já de imediato, detectar alguma alteração na região do pênis, escroto e órgãos anexos. Se você não tem nenhuma queixa, informe apenas que o seu objetivo é iniciar o ano com a certeza de que não há nenhuma DST escondida no seu corpo e que exames poderiam detectá-la e já tratá-la, quando possível.

Meus votos que tenham todos um feliz 2018 e espero contar com a colaboração de vocês, sugerindo temas para futuras postagens.