"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O preservativo deve ser usado do início ao fim, num ato sexual.

Para muitos, esse título pode parecer óbvio. E realmente é. Mas se toco no assunto, é porque percebo que ainda há muitos homens gays usando o preservativo de forma errada, incompleta.

É mais comum do que que eu imaginava, um homem iniciar a penetração anal sem preservativo e só colocá-lo, na hora que decide ter o orgasmo. E isso o expõe a vários tipos de doença sexualmente transmissível.

A mais importante delas é a contaminação pelo vírus HIV, uma vez que o atrito da pele do pênis com a do ânus, provoca lesões invisíveis ao olho, mas suficientes para que ocorra a passagem do vírus de um corpo para outro. E assim também o é com o vírus da Hepatite B.

Sem contar as lesões que passam pelo contato, como é o caso da sífilis, do herpes e do HPV, para citar algumas.

Então, você está assustado porque não usava de forma correta ou porque não imaginava que alguns homens gays não sabiam disso?

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

As ereções durante o exame físico de próstata.

Pois é, acontece! Mas confesso que não é frequente e acomete tanto homens gays como heterossexuais.
Isso porque a região anal é uma área erógena, independente da orientação sexual.



Obtenha o eBook do Uroblogay clicando aqui e leia mais sobre esse assunto.

Os tópicos incluídos no exemplar, são:


1) "Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

2) Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

3) Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

4) As ereções durante o exame físico de próstata.

5) O sexo anal e a próstata.

6) O tamanho da maioria dos pênis.

7) ESMEGMA: o que é isso?

8) Pênis “cut” ou “uncut”: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

9) CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

10) O médico não pode masturbar um paciente no consultório.


segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Você não precisa contar para o seu urologista que é gay!

Deixe-me explicar o porquê desse post.

Muitos leitores me pedem para indicar urologistas que façam um trabalho como o meu fora da cidade de São Paulo e eu infelizmente não sei fazê-lo. Então eles me contam que ficam super constrangidos na hora de abordar o assunto das doenças urológicas, relacionadas ao ato sexual. Por isso resolvi escrever esse post, objetivando ajudar homens gays que ainda se sentem constrangidos durante uma consulta com um médico, que não conhecem, e que têm receio de uma rejeição na hora de se expor quanto à orientação sexual.

Para nós médicos, quando falamos dos hábitos sexuais estamos querendo descobrir a possível porta de entrada para uma doença que possa ter sido adquirida. Se o paciente tem o hábito de penetrar o ânus sem preservativo, essa é uma das formas bem possíveis de se adquirir uma doença. 

A minha sugestão então é para que, se o leitor tiver dificuldade para falar abertamente sobre sua orientação sexual, se limite a dizer que pratica sexo realizando penetração anal sem preservativo. Se for indagado sobre a orientação sexual, avalie no momento se está confortável com o médico que está fazendo o atendimento para abordar esse assunto.

Quanto ao fato de também haver a possibilidade de ser penetrado pelo ânus, esse hábito não interessa ao urologista e sim, a um proctologista. Então caso ele faça essa pergunta, você não estará omitindo nenhuma informação que prejudique o urologista a fechar um diagnóstico, caso prefira não responder a esta pergunta de forma verdadeira.