"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Pênis cut ou uncut: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

Essa postagem vem responder às muitas questões que me são feitas sobre o fato de um pênis ser circuncidado, ou não, atrapalhar na qualidade do ato sexual.


Obtenha o eBook do Uroblogay clicando aqui e leia mais sobre esse assunto.

Os tópicos incluídos no exemplar, são:


1) "Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

2) Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

3) Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

4) As ereções durante o exame físico de próstata.

5) O sexo anal e a próstata.

6) O tamanho da maioria dos pênis.

7) ESMEGMA: o que é isso?

8) Pênis “cut” ou “uncut”: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

9) CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

10) O médico não pode masturbar um paciente no consultório.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Nem sempre os parceiros sexuais precisam ser tratados, quando estamos diante das doenças adquiridas pelo sexo.

Casais costumam se infectar pelas mesmas doenças, principalmente quando não usam preservativos no ato sexual. Os casais de homens, ao contrário dos casais heterossexuais, nem sempre precisam ser tratados a partir do diagnóstico de uma Doença Sexualmente Transmissível num deles.

É comum ao final da consulta eu ouvir essa pergunta: "E o que o meu parceiro deve tomar?". Então por isso escrevo esse post, para tentar explicar um pouco o que precisa ser realmente feito.

1) O uso de preservativos pode evitar que essa pergunta seja feita. Então evite o máximo possível abandonar o uso do mesmo.

2) Muitas infecções urinárias, e na próstata, são adquiridas pelo fato do pênis ser introduzido numa região contaminada, como é o caso da região ânus/ reto. E nesse caso, não devemos prescrever nada para o parceiro, pois o normal é que essas regiões sejam repletas de bactérias mesmo.

3) Candidíase não necessariamente é transmitida a você pelo seu parceiro sexual, mas como se propaga pelo sexo, geralmente é sugerido um tratamento com comprimidos para ele também. Ele pode estar ou ter sido contaminado por você e não tratando-o, você pode adquirir a infeção de novo ao retomar a vida sexual com ele.

4) Infecções adquiridas pelo sexo oral normalmente são causadas por agentes infecciosos que se encontram na cavidade oral e na garganta do seu parceiro, então é recomendável que ele procure um otorrinolaringologista para receber tratamento específico. Nesse caso não é recomendável que ele faça uso apenas, do mesmo medicamento que você recebeu.

5) Doenças como Sífilis, Herpes, Hepatite B, HIV, são transmissíveis pelo ato sexual e por isso, os parceiros devem ser orientados a passarem por uma avaliação específica. Isso deve ser feito, independentemente do fato do casal usar ou não preservativos no ato sexual.

6) As verrugas genitais, os condilomas, muitas vezes causadas pelo vírus HPV (Human Papiloma Virus), quando presentes em você também devem ser descartadas no seu parceiro. Ele precisa passar por uma avaliação médica.

E fica a dica: sugiro que caso você passe por uma das situações acima, ou situações semelhantes, indague sempre ao seu urologista, se há ou não necessidade do tratamento conjunto de vocês dois. 

quinta-feira, 2 de abril de 2015

O impacto do exercício físico na (im)potência sexual.

Homens devem se exercitar por vários motivos. Já se sabe que a atividade física melhora a qualidade de vida, melhora o  humor, ajuda a manter o peso, controla e evita muitas doenças.

Trabalho recentemente publicado vem comprovar que homens que se exercitam regularmente, referem uma melhor qualidade de ereção e também uma melhor função sexual.

Se tem uma coisa que observo com frequência nos pacientes gays masculinos que procuram a Clínica CZ, é o desejo de ter uma atividade sexual com qualidade e, principalmente, duradoura. Me parece que o homem gay aspira mais por isso do que o homem heterossexual. Essa é a minha impressão.

Então é para refletir sobre os resultados desse trabalho (http://www.medscape.com/viewarticle/842004?nlid=79005_1004&src=wnl_edit_medp_urol&uac=119127CZ&spon=15) e adotar ou manter hábitos regulares de exercitar-se:

"Os homens que se envolvem num alto nível de atividade física relatam uma melhor ereção e uma melhor função sexual , independentemente de sua raça, de acordo com o primeiro estudo numa população racialmente diversificada." ("alto nível de atividade física" é considerado, dependendo do que o homem pratica por semana, 2 horas de atividade intensa como corrida ou natação, ou 3.5 horas de exercício moderado (intercalando corridas com caminhadas) ou até mesmo 6 horas de atividades mais leves, como são as caminhadas regulares).