"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

Como assim, "numa relação sem preservativo", você deve estar se perguntando? Pois é, por mais que recomendemos o uso de preservativos numa relação homossexual, vamos combinar que muitos não seguem esse conselho, principalmente se estão num relacionamento estável. 

Obtenha o eBook do Uroblogay clicando aqui e leia mais sobre esse assunto.

Os tópicos incluídos no exemplar, são:


1) "Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

2) Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

3) Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

4) As ereções durante o exame físico de próstata.

5) O sexo anal e a próstata.

6) O tamanho da maioria dos pênis.

7) ESMEGMA: o que é isso?

8) Pênis “cut” ou “uncut”: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

9) CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

10) O médico não pode masturbar um paciente no consultório.



segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Hemorroidas.

A urologia é uma especialidade que cuida das doenças que envolvem nos dois sexos, os rins, os ureteres (os canais que levam a urina do rim para a bexiga), a bexiga e a uretra. E no caso do homem, as doenças da próstata, testículos, epidídimos, vesículas seminais e o pênis.
Muitos leitores têm feito perguntas sobre hemorroidas, mas infelizmente essa doença não é da via geniturinária. Mas estou solicitando a um colega Proctologista, e com grande experiência no atendimento médico ao homem gay também, para que me responda às perguntas que todos os leitores têm feito e logo publicarei post a respeito dessa doença

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

O que você precisa saber sobre a masturbação.

Percebo que há muitas dúvidas relacionadas ao hábito de se masturbar. E pelo incrível que pareça, a masturbação pode ser bom ou ruim para a sua saúde, dependendo da sua idade.
Há um artigo publicado pelo The Independent (http://www.independent.co.uk/life-style/health-and-families/health-news/masturbation-can-be-good-for-the-over50s-1516792.html) falando sobre isso e que cita que a masturbação nos jovens pode levar a um maior risco para desenvolver câncer na próstata. Já se você tem mais de 50 anos, ela pode diminuir esse risco. Estranho, não? E o que é muito? Vinte vezes ou mais pelo mês, incluindo as ejaculações pelo orgasmo no ato sexual também. 
A explicação para o porquê que pode ser ruim vem atrelada à possibilidade de que um excesso de hormônio na fase dos 20 anos, aumentando o libido, pode atuar na próstata e pode alterá-la.
A explicação do porquê pode ser bom é de que após os 50 anos, ejaculações frequentes levam à eliminação de toxinas, que poderiam estar dentro da próstata, diminuindo assim a agressão que elas poderiam causar dentro do órgão. 
O artigo realça que essas são apenas hipóteses, nada realmente comprovado, mas que é alarmante o achado relacionado ao hábito de masturbar-se com frequência, isso é.
E muitos pacientes também indagam sobre a forma de se masturbar e aí, escuto de tudo. Leitor, cuidado com o seu pênis: nada de utilizar materiais que podem machucar o seu pênis como almofadas, sofás, esponjas, toalhas e assim em diante. O uso de um lubrificante pode tornar o hábito mais prazeroso e diminuir o atrito da pele da mão com a do pênis, evitando lesões na pele que deixariam um aspecto estético desagradável.
Cuidado também com a posição que você submete o seu pênis. Pênis "quebra" quando em ereção, você sabia? E isso é uma emergência médica, com hematoma importante que logo começa a se formar, a ponto de às vezes necessitar de cirurgia para corrigir o problema. Sem falar na possibilidade de levar a uma impotência sexual no futuro. Masturbação não aumenta e nem diminui o pênis, mas ao machucá-lo, pode deixar ele torto.
Outro coisa que quero realçar é que a masturbação em grupo não é livre de riscos. O contato intenso com as mãos, frequente, repetitivo, sem higienização, pode permitir que doenças passem de um pênis para outro através das mãos. Ou seja, há possibilidade de transmissão de herpes e até mesmo de sífilis. CUIDADO COM OS LOCAIS AONDE ISSO ACONTECE!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Como prolongar o ato sexual.

Se tem uma coisa que escuto com  frequência, é que o homem gay acha que tem o orgasmo muito rápido. E muitos querem encontrar uma solução para isso.
Como causa, há desde um simples fato, como uma novidade (um novo companheiro, um lugar diferente), até distúrbios de comportamento, como ejaculação rápida.

Para o homem que deseja prolongar o ato sexual, postergando o orgasmo, lançamos mão de atos e medicamentos.

Quanto aos atos, é importante reconhecer as situações que levam a um orgasmo mais rápido. Reconhecendo-os, há uma informação que já faz com que a sua ansiedade diminua e consequentemente, a rapidez do orgasmo também. Avalie seu companheiro, veja o que ele veste no momento, a atitude dele e administre o que pode aumentar a sua excitação. Veja se o local e a situação contribuem para um ato sexual mais relaxado.

Quanto às terapias, hoje em dia temos muitos medicamentos que interferem no ato da ejaculação, sendo os antidepressivos, as drogas mais usadas. Mas também temos os ansiolíticos e as drogas que melhoram a qualidade da rigidez peniana e que também interferem, postergando o orgasmo.

Um dos grandes avanços no tratamento da ejaculação precoce, por exemplo, foi a descoberta do antidepressivo dapoxetina (no Brasil só está disponível por manipulação laboratorial. Na Clínica CZ, temos uma farmácia de manipulação que a prepara para os nossos pacientes) que pode ser tomado somente nas horas que antecedem o ato sexual, ao contrário dos outros antidepressivos que para atuarem retardando a ejaculação, necessitam ser administrados diariamente.

Às vezes é necessário um coquetel de medicamentos para que consigamos fazer que nosso paciente retarde o orgasmo, mas a maioria deles reage muito bem e se sente satisfeito com o resultado. E com o tempo, esse coquetel acaba sendo desnecessário. E lembre-se: o ato sexual é uma atividade aeróbica. Portanto prepare-se para ele tendo uma atividade física regular e adotando hábitos de vida saudáveis.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Reposição hormonal: quando começar?

Com tanta informação na mídia prometendo revoluções no corpo e no desempenho sexual, a maioria dos homens se pergunta se não está faltando alguma coisa. E nessa hora, a falta de hormônios é a grande preocupação.

O homem gay se preocupa ainda mais com esse assunto, se comparado ao heterossexual. Acredito que se dê devido a um tipo de comportamento com maior exposição corporal, maior engajamento social, maior frequência na troca de parceiros e maior interesse pelo assunto.

A resposta, do ponto de vista médico, para essa pergunta, é: quando houver necessidade. O resto se chama anabolização e não, reposição. E para saber se há necessidade da reposição, fique atento a algumas situações e aí, procure um médico de sua confiança para dosar os seus hormônios:

1) Dificuldade para o desempenho sexual e até mesmo, dificuldade para a ereção. Observe como está o desejo pelo ato sexual.
2) Observe o seu humor, que na falta de hormônio, pode ficar ruim. Distúrbios do sono passam a ser frequentes, com noites mais mal dormidas ou excesso de sono, cansaço contínuo, falta de dinâmica.
3) Avalie o seu raciocínio, a sua memória, que tendem a ficar comprometidos pela queda hormonal.
4) Avalie os seus músculos, seu acúmulo de gordura e compare com o grau de atividade muscular que você desempenha e claro, se são proporcionais com a quantidade de calorias que você ingere. A falta de hormônios favorece à obesidade, mas não confunda com a que se apresenta devido ao sedentarismo.
5) Veja se seus pelos têm caído. Este também pode ser um alerta.

Entenda que o homem envelhece e com isso, muito se perde. Para retardar esses acontecimentos é importante desde jovem criar hábitos saudáveis, equilibrando atividade física regular com uma alimentação balanceada, que tenha um pouco de tudo (inclusive aquelas guloseimas, aquelas bebidas, os excessos dos encontros de final de semana, pois atuam para melhorar o seu humor).

Abandone vícios, fique longe das drogas e faça avaliações médicas regularmente, principalmente se você já estiver acima dos 40 anos.
Eu sei que um corpo bonito, forte, saudável é bom. E por isso mesmo existem os tratamentos estéticos.

Quer ganhar peso, ganhar músculos? Faça isso bem orientado, procurando um médico que te auxilie com dieta correta. Uma nutricionista é perfeito para isso. Claro, um bom profissional para te guiar nas atividades físicas, focando-se no tipo de hipertrofia muscular que você procura.

Cuidado com a terapia a base de hormônios, desnecessários ao seu organismo.Reponha o que lhe falte. Por isso que existe a sigla DAEM, que significa Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino. Ou seja, há um distúrbio que se manifesta pela falta de hormônios masculinos e que ocorre devido ao envelhecimento do homem. Isso sim merece terapia!

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Quanto custa para fazer uma vasectomia e o porquê da variação de preços.

Muitos homens gays com comportamento bissexual pensam em ter um controle pessoal de sua fertilidade e esse é o motivo deste post. Não há muita informação sobre preços de vasectomia na internet e como muitos me perguntam, achei interessante replicar este post aqui também (algo muito parecido já foi publicado no blog da Clínica Cid Zauli ( http://cidzauli.blogspot.com.br/2013/06/quanto-custa-para-fazer-uma-vasectomia.html).
Há relatos de pacientes que pagaram de R$ 500,00 a R$ 7.000,00 no custo total do procedimento. Essa diferença enorme de valores se deve à forma de como foi acordado o procedimento. A cirurgia realizada em clínicas mais modestas tende a ser menor e deve-se ficar atento se o local tem autorização da Vigilância Sanitária para a realização de cirurgias. Os custos mais elevados normalmente estão atrelados a uma cirurgia realizada em ambiente hospitalar, que quanto mais equipado ele for, maior eles serão.
A formação do profissional, que deveria sempre ser um Médico Urologista, também deve ser levado em conta, assim como o quanto ele se desloca de seu consultório até o local aonde a cirurgia será realizada. E claro, quanto menos desconforto puder ser proporcionado ao paciente, e isso pode significar contar com o auxílio de outro Médico, o Anestesiologista, maior será esse custo.
Enfim, vários fatores podem contribuir com o custo final dessa cirurgia. Importante informar que as Seguradoras de Saúde são obrigadas a cobrir esse procedimento, mas como utilizam uma tabela totalmente desatualizada de procedimentos médicos de 1992, há uma orientação da Sociedade Brasileira de Urologia para que os urologistas não realizem este procedimento sem acordar um custo final, que depois seria reembolsado pela seguradora, total ou parcialmente. Mas essas mesmas seguradoras garantem as despesas hospitalares.
O importante é pesquisar todas essas informações expostas acima e como regra, se preparar para um gasto mediano de R$ 3.500,00 numa metrópole como São Paulo e levar em conta que hoje há a possibilidade de se parcelar esse custo nos cartões de crédito.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

"Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

Essa foto explica tudo. "Cut" significa cortado e "uncut", o contrário.

Obtenha o eBook do Uroblogay clicando aqui e leia mais sobre esse assunto.

Os tópicos incluídos no exemplar, são:


1) "Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

2) Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

3) Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

4) As ereções durante o exame físico de próstata.

5) O sexo anal e a próstata.

6) O tamanho da maioria dos pênis.

7) ESMEGMA: o que é isso?

8) Pênis “cut” ou “uncut”: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

9) CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

10) O médico não pode masturbar um paciente no consultório.
 


quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Cuidado com a Sífilis!

Escolhi essa foto propositalmente, pois a minha experiência mostra que muitos homens desconhecem que a Sífilis pode se manifestar na boca, na língua.
Tenho visto um aumento significativo no diagnóstico de Sífilis. Por esse motivo acho interessante você perder uns minutos, lendo esse post.
Caso você apresente uma lesão, tanto na região do pênis, como da bolsa escrotal, virilha e até mesmo glúteos e perianal, em forma de uma úlcera, que muito se parece com uma espinha, fique alerta. Pode ser Sífilis.
Essa lesão normalmente só é dolorosa, caso você a aperte com os seus dedos e tende a durar por uma semana. Na maioria das vezes causa apenas uma sensibilidade no local, que faz o paciente perceber que ela existe. 
Caso seja decorrente de um contágio por Sífilis, ela vai desaparecer mesmo que você não trate. E a Sífilis vai evoluir para uma forma mais agressiva, a Sífilis Secundária. A fase das lesões corporais, onde a região das mãos é um dos locais aonde as lesões podem se manifestar.
Nesse momento a doença já está numa forma mais agressiva, mas ainda pode ser tratada e normalmente é nesse estágio, que a maioria das pessoas procura por um médico, um dermatologista geralmente. E caso não trate, a doença continua evoluindo e para a forma mais agressiva e muitas vezes, letal: a Sífilis Terciária, de manifestação neurológica.
Então, vejamos se você se encaixa nessas situações e como fazer para se prevenir:
1) Faz sexo oral sem preservativo? Tanto no pênis, como na bolsa escrotal e região do ânus? Está exposto.
2) Recebe sexo oral sem preservativo? Tanto no pênis, como na bolsa escrotal, como no ânus? Está exposto.
3) E o famoso roça-roça sem preservativo? Friccionou o pênis com outro pênis sem preservativo? Friccionou o pênis na região anal sem preservativo? Ou teve o seu ânus friccionado por outro pênis sem preservativo? Esteve exposto.
Agora volte no tempo e lembre-se dos locais que você frequentou a procura por sexo e avalie, se essas situações acima aconteceram. Caso não tenham acontecido, melhor para você. Mas você vai concordar que, embora não tenha participado, viu muitas situações iguais às acima relatadas, certo? 
Está na hora de você repensar a sua exposição? Então lembre-se: uma das formas de transmissão da sífilis é por contato. Ou seja, uma lesão na língua, ou no céu da boca, ou na garganta, ou no pênis, ou na bolsa escrotal, ou na região dos glúteos e também na região anal, te contamina se você encostar essas mesmas suas partes, nela. Proteja-se sempre com preservativos.
Já citei nesse blog, num outro post, que o homem gay faz parte de um grupo que, por se expor a um maior número de parceiros sexuais, está mais sujeito à ser contaminado pelas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). No caso da Sífilis, o tratamento adequado com penicilina (ou tetraciclina, ou doxaciclino nos casos de alergia à penicilina), cura. Mas e as outras doenças?
Calma, ainda há tempo. Caso você tenha se excedido, procure o seu médico de confiança e faça pelo menos uma vez por ano, os exames de sangue para descartar as DSTs, sendo a Sífilis uma delas.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

Todo homem gay deve ter consciência que faz parte, de um grupo de maior risco para adquirir doenças sexualmente transmissíveis. Não só pelo fato da maioria ter ou ter tido muitos parceiros, mas também pelo fato de que o sexo com penetração anal, envolve mais riscos. O sexo anal expõe o pênis a um ambiente extremamente contaminado quando não se usa preservativo (a maioria dos casais numa relação estável abandona o uso do mesmo) e devido ao maior atrito, gera lesões na pele tanto do ânus como no pênis, que permitem a entrada de agentes contagiosos com mais facilidade.


Obtenha o eBook do Uroblogay clicando aqui e leia mais sobre esse assunto.

Os tópicos incluídos no exemplar, são:


1) "Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

2) Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

3) Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

4) As ereções durante o exame físico de próstata.

5) O sexo anal e a próstata.

6) O tamanho da maioria dos pênis.

7) ESMEGMA: o que é isso?

8) Pênis “cut” ou “uncut”: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

9) CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

10) O médico não pode masturbar um paciente no consultório.