"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Sorodesconhecido: saiba o que significa esse termo e descubra se você pode ser um deles.

Cada vez mais venho escutando esse termo e essa postagem servirá para explicar a você, quando ele tem sido aplicado.

Sorodesconhecido é aquele homem que não tem o cuidado de realizar exames, ou os fez já faz algum tempo, e por esse motivo desconhece se pode ser portador de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), como HIV, Sífilis, Clamídia, Herpes e Hepatite B (ou C). Muitas vezes acreditam estar sadios e por isso se apresentam como livres de ameaça para a transmissão de DST. Mas não é bem assim.

Ou seja, todo cuidado é pouco. A inocência e o desconhecimento podem ser os vilões nesse momento e colocar em risco a saúde daquele com quem o sorodesconhecido  irá se relacionar sexualmente, sem o uso correto do preservativo.

Agora que o termo está explicado, você se identifica com essa situação? Já tem mais de ano que você realizou exames de sangue para descartar a presença dessas doenças? Recentemente você se expôs a alguma situação de risco em poderia ter sido contaminado por algum parceiro sexual? Ao obter o eBook deste blog, você terá acesso à postagem que fala sobre os exames que todo homem gay deveria realizar uma vez ao ano. Espero que te ajude.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Infecção por Clamídia e gonorreia pode passar despercebida em homens HIV positivos, quando a pesquisa é feita somente com exame de urina.

Já fiz postagens anteriormente falando de Doenças Sexualmente Transmissíveis e falei sobre infecção por Clamídia.

Um estudo acaba de mostrar que quando a investigação em homens que são HIV positivos é realizada apenas em amostras de urina, há o risco de infecções por gonococos (que causam a gonorreia) e por Clamídia passarem despercebidas.

É importante coletar amostras da faringe e do reto para realizar testes que identifiquem a presença desses agentes infecciosos, que podem ter entrado no organismo pelo sexo anal e/ou oral.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Quanto tempo deve durar o ato sexual?

Não existe uma regra sobre quanto tempo deve durar o ato sexual. A duração do ato sexual pode variar de casal para casal e ser influenciado por alguns fatores:

1) Preferência: alguns casais podem querer que seja um ato rápido e outros, que seja algo mais durador.

2) Circunstâncias: casais jovens e/ou muito ocupados podem preferir um ato mais rápido. Casais relaxando num final de semana podem querer um ato mais lento, podendo às vezes ficar horas numa cama.

3) A idade e a saúde do casal: com o avançar da idade, o homem pode precisar de mais tempo para ficar excitado e atingir o orgasmo.

4) Como o casal define o ato sexual: se o casal considera o ato sexual somente enquanto há a penetração, pode durar minutos. Mas se a definição envolve os atos de carinho, beijos, toques, sexo oral, etc..., pode ser mais longo.

Cientificamente o ato sexual é definido como o ato que se inicia com a penetração e termina com orgasmo e isso leva alguns minutos. Em 2005 um estudo analisou esse tempo, avaliando 500 casais (heterossexuais) do mundo todo e concluiu que a média de tempo entre a penetração e orgasmo, varia em torno de 5 (cinco) minutos. Mas os casais, tanto heterossexuais como homossexuais, podem ter uma visão diferente sobre essa questão.

Apesar de que para muitos casais, o tempo não é uma escolha para avaliar a qualidade do ato sexual, há ainda as situações que podem impactar nesse tempo, como por exemplo as situações de ejaculação rápida ou retardada que afligem muitos homens e que já mereceu postagens nesse blog falando sobre as possíveis terapia para essas situações.
 

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Tribullus terristris: você já deve ter ouvido falar.

Muitos leitores deste blog têm me pedido para falar de Tribullus terrestris e esse é o assunto desta postagem.

O Tribullus é uma erva daninha encontrada nas regiões do mundo com clima quente, temperado e tropical. 


Não há comprovação científica, mas acredita-se que de alguma maneira essa substância funcione como um hormônio, uma vez que seu ativo químico é semelhante ao hormônio DHEA (dehidroepiandrosterona) e assim, melhorar a performance do homem em várias situações.


Durante séculos foi muito utilizada na Europa como estimulante sexual e até hoje na Índia é utilizada nas práticas ayurvédicas como afrodisíaco.


Algumas ações são conhecidas e relatadas:

1) No sexo há um aumento do libido, há uma melhora na qualidade da ereção e com isso, há uma melhora no desempenho sexual.


2) Nas atividades físicas há um maior rendimento e uma maior resposta no processo de hipertrofia dos músculos. Por isso, muitos fisiculturistas a utilizam visando manter níveis de hormônio masculino na circulação sanguínea, após um ciclo com anabolizantes.


3) Muitos usuários relatam que, enquanto em terapia, têm uma melhor qualidade de sono.

O Tribullus terrestris não deve ser ingerido com o estômago vazio, para diminuir as queixas de indisposição estomacal e diarreias. 



Não há evidências científicas sobre a ação do Tribullus terrestris como um precursor ou substituto da testosterona e por isso, não há relatos sobre a influência nas doenças da próstata.

No Brasil é vendido com o nome comercial de Androsten, mas pode ser encontrado em lojas de produtos naturais ou em farmácias de manipulação. Sua dosagem deve ser de 500mg ao dia e como a ação dele não é continua, o ciclo de tratamento deve ser de no máximo 4 semanas. Depois recomenda-se a sua suspensão por um período mínimo de 30 dias.

Quando manipulado em conjunto com outras substâncias, ioimbina e tadalafila por exemplo, costuma oferecer ótimos resultados na performance sexual, mas nesse caso é necessário um acompanhamento médico enquanto em terapia e a fórmula só é manipulada com prescrição médica.