"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Não se deixe ser humilhado por um médico homofóbico!

Hoje vou escrever sobre um assunto muito delicado: homofobia na Medicina. E se escrevo, é poque tenho relatos diversos de atitude de homofobia citados pelos meus pacientes.

No Brasil homofobia é crime, mas alguns colegas médicos parecem desconhecer isso ou no alto do pedestal da profissão, se consideram aptos a dar conselhos e repreender pacientes pela orientação sexual que têm, imunes a qualquer retaliação.

O médico tem que estar pronto para ouvir sua queixa, colher informações, te examinar com todo o respeito como qualquer paciente merece e depois, conversar contigo, expondo hipóteses de diagnóstico e possíveis tratamentos.

Escuto de pacientes situações em que médicos passam sermão quando eles expõem a orientação sexual. 

Há médicos que mal continuam a conversa e já vão querendo terminar a consulta rapidamente. 

Há outros que fazem insinuações com piadinhas constrangedoras e de mau gosto, na hora de um exame de próstata. 

E há aqueles que já vão logo solicitando exame de HIV, pois acham que todo homem gay é soropositivo para o vírus HIV.

Se você foi, ou se um dia for, vítima de uma atitude como essa, denuncie ao Conselho Regional de Medicina de seu estado. Hoje em dia na maioria das cidades do Brasil há profissionais que irão te atender com o maior respeito e muito preparados com as situações difíceis, particulares do sexo entre homens, que podem acontecer.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Ejaculação precoce: invista em atividade física para melhorar!

Homens que sofrem de ejaculação precoce, podem se beneficiar com o aumento da atividade física nos tempos livres.

A ejaculação precoce, também conhecida como ejaculação rápida, pode existir desde o primeiro ato sexual do homem ou passar a se manifestar depois. A definição é que a ejaculação ocorre rapidamente, normalmente em menos de um ou em até três minutos, após a penetração.

Aqui nesse blog já escrevi sobre os recursos que hoje existem para nós médicos tentarmos auxiliar nossos pacientes. Um novo estudo realizado na Finlândia (clique aqui para ter acesso ao estudo) vem trazer mais uma informação, que talvez leve à mudança do padrão de tratamento dessa enfermidade.

O estudo mostra que homens que fazem menos atividade física, tendem a se queixar mais de ejaculação rápida. Cientistas acreditam que homens que se exercitam com regularidade, tendem a apresentar uma melhora da estética corporal o que consequentemente pode levar a uma melhora na auto-estima e da saúde em geral.

Como exercitar-se é sempre bom, sugiro que aqueles que sofrem de ejaculação rápida, procurem aumentar a atividade física nos tempos livres. Ainda não é uma regra, mas com certeza ocorrerá uma melhora, ou no mínimo manutenção, da saúde corporal e mental.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Outras opções para o tratamento da impotência sexual.

Nem todo homem consegue resolver o problema de impotência sexual com os comprimidos disponíveis para o tratamento da disfunção erétil, a terapia mais utilizada hoje em dia. Embora Cialis, Levitra e Viagra (só para citar os mais conhecidos) ainda sejam muito eficazes, há pacientes que não podem utilizá-los, ou não respondem à terapia, ou deixam de obter os efeitos com o passar do tempo.

E o que oferecer para esses pacientes, principalmente com uma expectativa de vida do ser humano cada vez maior? Vou escrever um pouco sobre cada uma delas:

1) Injeções intra penianas: o próprio paciente é treinado para se auto-aplicar uma injeção no corpo do pênis, que contém uma substância que promove a ereção (papaverina, fentolamina, prostaglandina).

2) Aparelho para ereção a vácuo: são aparelhos muito conhecidos, que devem ser utilizados no máximo por 10 minutos, que com o auxílio do vácuo e compressão mecânica do pênis com banda elástica, permitem uma ereção melhor. 

3) Supositório intra-uretral: terapia com o mesmo efeito que as injeções intra penianas, só que menos agressiva. Um supositório que contém alprostadil (um dilatador de vasos sanguíneos) é colocado dentro do canal urinário pela extremidade do pênis. Essa terapia não está mais disponível no Brasil e era conhecida como MUSE.

4) Prótese peniana: é a última opção. Para quando o paciente não responde, ou não se adapta, às três opções acima. Há próteses rígidas, semirrígidas e infláveis (essa última mantém um aspecto mais natural do pênis, uma vez que a ereção é desencadeada pela compressão de uma bombinha instalada no interior da bolsa escrotal, que faz ocorrer ou terminar as ereções sob o comando do paciente).

Todas às vezes que um homem começa a enfrentar problemas de ereção, é importante que ele procure um Urologista e inicie uma investigação. Os tratamentos são individualizados, caso a caso.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Está chegando mais um "Novembro Azul".

Mais um mês de Novembro se aproxima e você, homem, deve avaliar se já não é o caso de procurar um urologista para fazer os exames preventivos que podem diagnosticar um câncer na próstata que está lá quieto, silencioso.

Como já foi comentado neste blog em postagens anteriores, o homem gay por na maioria dos casos ter vários parceiros sexuais, e portanto mais exposto às Doenças Sexualmente Transmissíveis, está mais sujeito a apresentar um câncer na próstata.

Quem deve procurar um urologista?

1) Homens afrodescendentes acima dos 40 anos, já que nesse grupo a incidência da doença é mais frequente.

2) Homens acima dos 40 anos com histórico de câncer de próstata na família (pai, avô, irmaõs, tios)

3) Todo homem com mais de 50 anos.

O que será feito?

Primeiro o urologista irá conversar com você, objetivando colher dados que possam já fazê-lo suspeitar da possibilidade do câncer estar presente. Irá perguntar sobre os seus hábitos de micção, avaliar a qualidade do jato de urina que você apresenta ao urinar e tentar descobrir algum antecedente de doença urológica.

Depois o urologista fará o exame físico e é nesse momento que ocorrerá o exame de próstata, através do toque retal, com a introdução do dedo pelo ânus.

E por último ele avaliará, e provavelmente solicitará, exames complementares: ultrassonografias, exames de sangue (PSA- Prostatic Specific Antigen) e de urina.

Ao final da consulta, nós urologistas na maioria das vezes já temos noção se é um caso suspeito, ou não, de câncer na próstata. Mas serão os exames complementares que permitirão nos orientar sobre o diagnóstico final. Então, não deixe de retornar em consulta com os exames, mesmo que você considere que os resultados foram normais (hoje em dia a maioria dos pacientes tem acesso aos resultados dos exames antes mesmo dos médicos).