"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Tabagismo e pênis pequeno.

Algumas mudanças no corpo do homem que está em processo de envelhecimento podem levar a uma diminuição do pênis. Mas sabe-se que algumas atitudes podem acelerar esse processo, como é o caso do tabagismo.

Substâncias presentes no cigarro causam um dano nas artérias que levam sangue para o pênis e um bom fluxo de sangue é essencial para a saúde do órgão. Bom fluxo de sangue para o pênis é a garantia de uma boa ereção. É isso que permite a tumescência do pênis, que é o engrossamento e o aumento do pênis, gerando a ereção com boa rigidez. 

Parar de fumar com certeza contribui para um boa ereção e retarda o processo de diminuição do pênis decorrente do envelhecimento.

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

NOVEMBRO AZUL! Prevenção do câncer de próstata.

Novembro é o mês de se fazer a campanha do câncer de próstata e você, homem, deve avaliar se já não é o caso de procurar um urologista, para fazer os exames preventivos que podem diagnosticar um câncer na próstata, que está lá quieto, silencioso.

Como já foi comentado neste blog em postagens anteriores, o homem gay por na maioria dos casos ter vários parceiros sexuais, e portanto mais exposto às Doenças Sexualmente Transmissíveis, está mais sujeito a apresentar um câncer na próstata.

Quem deve procurar um urologista?

1) Homens afrodescendentes acima dos 45 anos, já que nesse grupo a incidência da doença é mais frequente.

2) Homens acima dos 45 anos com histórico de câncer de próstata na família (pai, avô, irmãos, tios). Homens obesos, uma vez que a obesidade aumenta o risco para se ter câncer na próstata.

3) Homens sem antecedentes familiares e que não participam das situações citadas acima, após os 50 anos.

O que será feito?

Primeiro o urologista irá conversar com você, objetivando colher dados que possam já fazê-lo suspeitar da possibilidade do câncer estar presente. Irá perguntar sobre os seus hábitos de micção, avaliar a qualidade do jato de urina que você apresenta ao urinar e tentar descobrir algum antecedente de doença urológica.

Depois o urologista fará o exame físico e é nesse momento que ocorrerá o exame de próstata, através do toque retal, com a introdução do dedo pelo ânus.

E por último ele avaliará, e provavelmente solicitará, exames complementares: ultrassonografias, exames de sangue (PSA- Prostatic Specific Antigen), de urina e eventualmente uma Ressonância Magnética da próstata.



Ao final da consulta, nós urologistas na maioria das vezes já temos noção se é um caso suspeito, ou não, de câncer na próstata. Mas serão os exames complementares que permitirão nos orientar sobre o diagnóstico final. Então, não deixe de retornar em consulta com os exames, mesmo que você considere que os resultados foram normais (hoje em dia a maioria dos pacientes tem acesso aos resultados dos exames antes mesmo dos médicos).

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Reabilitando o pênis...

Muitos homens perdem a condição de ereção após uma cirurgia de próstata e têm uma diminuição no tamanho do pênis também. Muitos desses homens desconhecem a existência de um programa de reabilitação do pênis, a ser executado logo em seguida à cirurgia.

A terapia envolve algumas medidas:

1) Uso de medicamentos inibidores da fosfodiesterase-tipo 5, como o famoso "Viagra".

2) Terapias com injeções regulares no pênis, que promovem a ereção.

3) Uso de aparelhos que promovem o estiramento e endurecimento do pênis artificialmente como numa ereção, com bomba a vácuo.

Se você está para passar por uma cirurgia de próstata ou conhece alguém nessa situação, é importante ter esse conhecimento para conversar com o Urologista sobre essa terapia. Ou pelo menos procurar um que possa orientar e realizar o programa de reabilitação. Fica a dica!

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Não abandonem a camisinha....

Uma coisa tem chamado a minha atenção e me gerado preocupação com os meus pacientes: o abandono do uso de preservativos no sexo oral e no sexo com penetração. Observo mais essa atitude após o início da terapia PREP (pré exposição ao vírus HIV com antiretroviral continuamente, objetivando diminuir os riscos de contaminação pelo sexo).

E quero alertar novamente sobre isso. Tenho recebido pacientes no consultório sendo contaminados pela Sífilis, pela infecção por Chlamydia e também pelo vírus HPV e do Herpes, por não terem feito sexo oral com proteção. Leitores, o PREP não protege contra essas doenças.

Portanto, se você quer uma proteção completa na hora do sexo, principalmente se você não conhece o parceiro, use preservativos também na hora de receber e fazer sexo oral, ou você estará abrindo uma porta de entrada para outras infecções sérias também.