"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Será que o sexo interfere no risco para câncer de próstata?

 

Será que o hábito sexual do homem interfere no risco dele para ter câncer na próstata? Trabalhos realizados desde 2018 parecem evidenciar que sim. Dados como quanto mais cedo for o início da atividade sexual do homem , a quantidade de parceiros que ele tiver e o ritmo de ejaculação, seja pelo ato sexual ou pela masturbação, têm repercussão na taxa de câncer de próstata. Vamos ao que parece ocorrer:

1) Homens que têm poucos parceiros sexuais, apresentam menor diagnóstico de câncer de próstata. O risco aumenta em 1 ponto a cada 10 parceiros diferentes que ele tenha.

2) Homens que tiveram a primeira relação sexual mais tarde também apresentam menor risco e quanto mais tarde for o início da vida sexual, menor a incidência. Ou seja, homens que tiveram sua primeira relação sexual aos 16 anos têm mais risco para ter o câncer de próstata do que os que começaram aos 21 anos. Acredita-se que quanto maior for o número de parceiros, maior a chance de adquirir uma Doença Sexualmente Transmissível (DST), que sabe-se que é um fator agressivo à próstata.

3) Quanto maior o for o ritmo de ejaculação, maior o benefício. A eliminação mais frequente do sêmen ajuda a colocar para fora, substâncias que ficariam retidas na próstata mais tempo e que poderiam gerar agressão ao tecido do órgão. 

Todos esses dados precisam de mais estudos para se ter uma maior certeza. Sabemos que hábitos interferem no risco para o aparecimento do câncer de próstata, além dos fatores hereditários, que estão fora do controle do homem. Hábitos que devem ser adotados para minimizar o risco de se ter um câncer na próstata:

A) Dieta equilibrada.

B) Controlar o excesso de peso.

C) Atividade física regular.

D) Parar de fumar.

E) Praticar sexo seguro, objetivando diminuir os risos para de se contrair DST.

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Remédio para ereção e câncer de pele.

Até recentemente havia a suspeita de que o uso de comprimidos para tratar déficit de ereção, como sildenafila, tadalafila, vardenafila, fosse uma possível forma de predispor o aparecimento do melanoma (um tipo de câncer de pele). Foi estabelecida uma relação onde homens que tinham melanoma,  costumavam usar mais esses medicamentos do que homens que não os usavam.

Mas como essa relação não necessariamente significava que esse tipo terapia levava ao aparecimento do câncer, uma vez que homens que faziam mais uso dessa terapia não necessariamente tinham com maior frequência a doença, mais estudos foram realizados e se chegou à conclusão que homens que têm condições de adquirir os tipos de medicamentos citados no parágrafo anterior, são: homens com maior poder aquisitivo, logo:


1) têm mais hábitos de lazer e hobbies que os expõem mais aos raios solares.

2) costumam frequentar mais médicos de forma preventiva e assim têm uma maior chance de ter o diagnóstico efetuado, principalmente nas formas mais iniciais.

Sendo assim, não se tem comprovado essa relação entre terapia com sildenafila (Viagra), tadalafila (Cialis), vardenafila (Levitra) e o aparecimento de melanoma. Previna-se contra o câncer de pele usando filtros com fator de proteção acima de 15 com regularidade, evite exposição ao sol no meio do dia (quando os raios solares são mais fortes), procure se proteger com chapéu/boné e óculos escuros. Na presença de uma lesão na pele suspeita, procure um dermatologista para uma melhor avaliação.


terça-feira, 25 de agosto de 2020

COVID-19 e esperma.

A COVID-19 é causada pelo coronavírus SARS-CoV-2.
Cientistas sabem que esse vírus é encontrado no esperma, na saliva, nas fezes, em superfícies e principalmente nas gotículas expelidas ao espirrar e tossir.

Por ser encontrado no esperma, na saliva e nas fezes, a COVID-19 é considerada potencialmente capaz de ser transmitida pelo ato sexual. Sendo assim, homens portadores do coronavírus SARS-CoV-2 devem ser isolados e não devem ter atividade sexual ou contatos íntimos com parceiros, para bloquear a evolução da pandemia,.

Algumas recomendações para diminuir a chance de contágio pela COVID-19:

1) Use preservativos.

2) Lave bem as mãos e eventuais sex-toys utilizados nos encontros sexuais.

3) Não tenha relações sexuais se estiver com sintomas de COVID-19, como febre, dor de garganta, tosse e espirros.

4) Evite ao máximo, encontros sexuais casuais.

Lembre-se: embora alguns considerem a COVID-19 uma "gripezinha", formas severas podem acarretar até a morte. E mesmo que você não tenha nada, seja apenas um portador assintomático, você pode vir a contaminar um amigo/parente querido.

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Sexo e hepatite: cuidado!


Nesses últimos tempos muito tem sido falado sobre o Coronavírus responsável pela Covid-19 e aproveito para citar outra doença que pode ser causada por vírus: a hepatite viral. Na verdade existem cinco tipos de vírus que causam a hepatite: A, B,C, D e E. Todas essas formas de hepatite afetam a vida sexual do homem, embora nem todas sejam sexualmente transmissíveis.

A hepatite A pode ser transmissível no contato com as fezes de um doente no ato com penetração anal sem proteção.

A hepatite B está presente no esperma e também na saliva, então além da penetração, tem-se como possível forma de contágio o sexo oral. Como está presente no sangue, a transfusão de sangue é muito arriscada para a transmissão. E pode cursar com a hepatite D e também ser transmitida.

Já as hepatites C e E não parecem ser transmissíveis pelo ato sexual. A tipo C geralmente transmite-se pelo sangue e a tipo E pela água e alimentos contaminados.

Estudos com homens infectados pela Hepatite C mostram que os infectados reclamam muito mais do que os sadios, quanto à queda do libido, citam piora das ereções e na qualidade dos orgasmos e se apresentam mais sexualmente insatisfeitos no geral.

Dicas para se manter prevenido: 

1) Teste-se e veja se você (se possível o seu parceiro também) é portador de hepatite.
2) Use preservativos no ato sexual.
3) Evite ter múltiplos parceiros sexuais.
4) É possível se vacinar contra a Hepatite tipo A e tipo B. Então peça ao seu médico que solicite e te oriente a procurar uma clínica de vacinação.