"O MAL SÓ TRIUNFA QUANDO OS HOMENS DE BEM NADA FAZEM". Edmund Burke.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

O verão está chegando....Cuidado com a candidíase!

O verão está chegando e as idas às praias e piscinas serão mais constantes. Homens gays normalmente gostam muito de ir à praia e ficar horas por lá. Com sunga, ou shorts, secos ou úmidos. E muitas vezes rola aquela paquera e dependendo da praia, por ali mesmo pode rolar uma transa. E como fica a situação do seu pênis? 

Sabemos que a higiene do pênis é necessária para a boa saúde sexual e urinária do homem. E em situações como as descritas no parágrafo acima, os fungos e bactérias podem se aproveitar de uma constante umidade e higiene deficiente, para se proliferar.

Quem nunca ouviu falar de Candidíase? Pois é, no calor úmido elas são mais frequentes e com o descuido da higiene, elas se proliferam. E se transmitem. Homens com pênis não circuncidados, os "uncuts" (leia post publicado no passado falando sobre essa condição: http://uroblogay.blogspot.com.br/2013/10/cut-ou-uncut-o-que-essas-palavras-em.html), são mais vulneráveis ainda. O excesso de pele contribui para um maior acúmulo de suor, secreções e facilita a proliferação dos agentes infecciosos.

Então vou dar uma dica: Água Boricada! Tenha sempre com você um frasco de água boricada e diariamente, após os banhos, faça uma limpeza do seu pênis na região da glande e da parte logo adjacente (chamada de sulco balânico). Se você não é circuncidado, nem precisa enxugar. Passe a água boricada com auxílio de algodão ou gaze e ,com ela úmida ainda, puxe o prepúcio de volta para cobrir a glande.

E não se esqueça: PREVENIR AINDA É O MELHOR MEIO DE SE MANTER SÃO. USE PRESERVATIVOS!

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

AIDS: um eterno combate!

Mais um ano chegando ao fim e mais uma vez vamos lembrar da eterna luta contra a AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida). O mundo inteiro está lembrando no primeiro dia de Dezembro, que é muito importante reforçar os cuidados para se combater a AIDS.

Os tratamentos avançaram muito, mas ainda é muito importante lembrar que PREVENIR O CONTÁGIO PELO VÍRUS, ainda é o melhor a ser feito.

Então, baseado nas várias perguntas que são feitas nesse blog, de como se contrai a AIDS durante um contato sexual, vou lembrar alguns pontos importantes.

1) Atrito intenso entre os genitais pode ser um risco para o contágio. Por isso que a penetração, mesmo que não haja a ejaculação, pode ser uma forma de contágio. No caso dos homens gays, o atrito do pênis com a mucosa anal já é uma forma arriscada para a transmissão. Ou seja, mesmo que o pênis seja retirado antes da ejaculação, a transmissão pode ocorrer. E analisando esse tipo de atrito, devemos supor que o atrito entre as glandes, também é uma forma arriscada para o contágio (há homens que possuem um excesso de prepúcio, pele que cobre a glande, e que encostam as pontas de suas glandes e fazem um vai e vem do prepúcio, permitindo um atrito importante entre as peles do órgãos). O atrito intenso provoca lesões na pele, invisíveis ao olho nu, por onde ocorre o contágio pelo vírus.

2) Sexo oral: são muitas as dúvidas postadas pelos leitores , sobre a transmissão nesse tipo de contato sexual. Teoricamente deveria haver eliminação de secreção com o vírus para o contágio ocorrer. Então consideramos que a eliminação do esperma na cavidade oral, pode levar a contaminação pelo fato de que no fundo da boca, no início da garganta, há uma quantidade importante de células de Langerhans e é por essas células, que o vírus entra no corpo de um ser humano.
E receber sexo oral? Nesse caso precisamos de situações mais complexas para que haja o contágio. Por exemplo: suponhamos um pênis com lesões presentes (herpes, condiloma/ HPV, úlceras, fissuras na pele) e que receba sexo oral de um indivíduo que tenha lesões semelhantes na cavidade oral. Sabemos que a presença de lesões sexualmente transmissíveis, aumenta o risco para a transmissão do HIV, desde que presente num dos indivíduos. Isso é um tipo de risco. No caso de indivíduos que se apresentem com a pele dessas regiões sã, não creio que a transmissão possa ocorrer.
E quanto ao liquido de lubrificação que sai do pênis antes da ejaculação? Teoricamente há vírus nessa secreção também. Mas não se sabe se em quantidade suficiente para o contágio.

3) A manipulação dos genitais. Teoricamente não é uma forma de contágio, já que o vírus HIV requer maior intimidade e contatos mais intensos para se transmitir. Mas se é possível nesse tipo de manipulação transmitir o vírus da Herpes, então teoricamente há o risco para que o mesmo aconteça com o HIV conjuntamente.

Muito importante informar que a transmissão do HIV tem relação com múltiplas exposições a um único ou a múltiplos parceiros contaminados. É importante salientar que a decisão de abandonar o uso de preservativos nas diversas formas do ato sexual, é uma decisão sua. Às vezes, um acidente. Então é importante que o homem gay se avalie estar ou não frequentemente exposto e procurar auxílio sempre. E lembrar que pelo menos uma vez por ano, deve realizar um check up, como já foi abordado num post publicado neste blog (http://uroblogay.blogspot.com.br/2013/10/check-up-exames-urologicos-que-todo.html)

Use preservativos nos atos sexuais! Essa é ainda a melhor forma de se prevenir do contágio pelo vírus HIV.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Ter muitos parceiros sexuais aumenta o risco de um câncer na próstata.

Um estudo publicado pelo jornal Cancer and Epidemiology vem informar que homens que tiveram mais de vinte parceiros sexuais, têm um risco 500% maior de apresentar câncer na próstata. 

Isso é atribuído ao fato de que a exposição a múltiplos parceiros, aumenta o risco para ser contaminado por Doenças Sexualmente Transmissíveis e também, a uma maior agressão à próstata devido ao sexo com penetração anal.
(artigo original divulgado pelo New York Daily News: http://www.nydailynews.com/life-style/health/sleeping-20-women-lowers-prostate-cancer-risk-study-article-1.1990015

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Hemoespermia: um susto que pode ser comum no homem gay.

Hemoespermia é uma situação em que o esperma é eliminado com aspecto sanguinolento. O que geralmente causa um susto, mesmo que seja algo que não se apresente com nenhuma outra queixa associada.

A hemoespermia pode estar associada a doenças ou não. Pode ser decorrente de um trauma e observando a foto ao lado, imagine um pênis no lugar de um dedo. O homem gay quando tem a região anal (na foto mostrada como um "tubo" vermelho) penetrada pelo pênis de seu parceiro, passa por situação semelhante e dependendo da posição em que ele se encontre, o trauma do pênis sobre a próstata (na foto representada por um órgão amarelo claro na extremidade do dedo indicador) já pode ser uma causa de sangramento no esperma.

E há também os sangramentos facilitados por doenças: infecções e/ou inflamações na próstata podem ser fatores predisponentes aos sangramentos. O crescimento benigno e tumores da próstata também. Nesse caso, as ejaculações se apresentam sanguinolentas, mesmo que o homem não esteja sendo penetrado por seu parceiro.

E o que fazer?

1) Caso você costume ser penetrado pelo seu parceiro, interrompa a atividade sexual. Não precisa evitar a ejaculação, portanto masturbações podem ser praticadas, assim como também penetrar o seu parceiro não é proibido.

2) Procure um urologista para averiguar o que está acontecendo. Com certeza serão necessários exames para descartar as possíveis doenças já citadas acima.

3) Não deixe passar em branco, evitando uma consulta com um urologista. O quadro ceder espontaneamente, não necessariamente significa cura. É bom que se faça uma investigação.

Na maioria das vezes a hemoespermia não é algo grave e tende a desaparecer espontaneamente. Mas as situações causadas por doenças, podem fazer com o que o quadro seja cada vez mais frequente e pior.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Homens gays e seus pênis maiores!

Existem algumas particularidades do homem gay, embora que fique claro que isso não é uma regra para todos, que leva os cientistas a acreditar que haja uma informação genética característica.

Por exemplo, você sabia que quando o homem gay é comparado com o homem heterossexual, percebe-se que na maioria das vezes o homem gay tem um pênis não só maior, como também com maior diâmetro?

E que há uma tendência do homem gay a ser canhoto ou até mesmo ambidextro?

Quando observam-se as áreas emotivas na região cerebral do homem gay, essas áreas são muito mais parecidas com as áreas da mulher heterossexual do que com as áreas do homem heterossexual?

Pois é, veja se você se inclui numa dessas particularidades. E certamente deve conhecer outros homens gays onde essas particularidades também existem.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Preservativo nem sempre te protege de algumas doenças transmissíveis pelo sexo.

Tenho tido casos de pacientes intrigados com o fato de terem sido contaminados por Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), mesmo tendo feito uso de preservativos.

É importante alertar que há doenças que passam apenas pelo contato e se elas não estão cobertas por um preservativo e entram em atrito com a pele descoberta de um outro parceiro, elas se disseminam

Só para alertar quanto a alguns tipos de doenças que podem se disseminar dessa forma;
1) as verrugas, como é o caso do HPV.
2) as lesões em forma de bolhas, no caso do herpes genital.
3) as lesões em forma de úlcera, ferida, como é o caso do cancro da Sìfilis.

Ou seja, é muito importante tomar cuidado nas relações com parceiros desconhecidos e em locais de maior incidência de DST, como é o caso das saunas, cruising bars, dark rooms, etc... Você pode não ter a chance de avaliar se essas lesões existem e/ou se estão cobertas por um preservativo e aí, estará exposto ao contágio.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O preservativo deve ser usado do início ao fim, num ato sexual.

Para muitos, esse título pode parecer óbvio. E realmente é. Mas se toco no assunto, é porque percebo que ainda há muitos homens gays usando o preservativo de forma errada, incompleta.

É mais comum do que que eu imaginava, um homem iniciar a penetração anal sem preservativo e só colocá-lo, na hora que decide ter o orgasmo. E isso o expõe a vários tipos de doença sexualmente transmissível.

A mais importante delas é a contaminação pelo vírus HIV, uma vez que o atrito da pele do pênis com a do ânus, provoca lesões invisíveis ao olho, mas suficientes para que ocorra a passagem do vírus de um corpo para outro. E assim também o é com o vírus da Hepatite B.

Sem contar as lesões que passam pelo contato, como é o caso da sífilis, do herpes e do HPV, para citar algumas.

Então, você está assustado porque não usava de forma correta ou porque não imaginava que alguns homens gays não sabiam disso?

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

As ereções durante o exame físico de próstata.

Pois é, acontece! Mas confesso que não é frequente e acomete tanto homens gays como heterossexuais.
Isso porque a região anal é uma área erógena, independente da orientação sexual.



Obtenha o eBook do Uroblogay clicando aqui e leia mais sobre esse assunto.

Os tópicos incluídos no exemplar, são:


1) "Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

2) Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

3) Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

4) As ereções durante o exame físico de próstata.

5) O sexo anal e a próstata.

6) O tamanho da maioria dos pênis.

7) ESMEGMA: o que é isso?

8) Pênis “cut” ou “uncut”: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

9) CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

10) O médico não pode masturbar um paciente no consultório.


segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Você não precisa contar para o seu urologista que é gay!

Deixe-me explicar o porquê desse post.

Muitos leitores me pedem para indicar urologistas que façam um trabalho como o meu fora da cidade de São Paulo e eu infelizmente não sei fazê-lo. Então eles me contam que ficam super constrangidos na hora de abordar o assunto das doenças urológicas, relacionadas ao ato sexual. Por isso resolvi escrever esse post, objetivando ajudar homens gays que ainda se sentem constrangidos durante uma consulta com um médico, que não conhecem, e que têm receio de uma rejeição na hora de se expor quanto à orientação sexual.

Para nós médicos, quando falamos dos hábitos sexuais estamos querendo descobrir a possível porta de entrada para uma doença que possa ter sido adquirida. Se o paciente tem o hábito de penetrar o ânus sem preservativo, essa é uma das formas bem possíveis de se adquirir uma doença. 

A minha sugestão então é para que, se o leitor tiver dificuldade para falar abertamente sobre sua orientação sexual, se limite a dizer que pratica sexo realizando penetração anal sem preservativo. Se for indagado sobre a orientação sexual, avalie no momento se está confortável com o médico que está fazendo o atendimento para abordar esse assunto.

Quanto ao fato de também haver a possibilidade de ser penetrado pelo ânus, esse hábito não interessa ao urologista e sim, a um proctologista. Então caso ele faça essa pergunta, você não estará omitindo nenhuma informação que prejudique o urologista a fechar um diagnóstico, caso prefira não responder a esta pergunta de forma verdadeira.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

ALERTA: o diagnóstico de câncer de próstata avançado, vem aumentando nos homens mais jovens.

Pesquisadores alertam para o fato de que casos de câncer de próstata já em estado mais avançado, têm sido mais frequentes e aumentou em 6 vezes nas duas últimas décadas.
Acredita-se, e está sendo investigado, de que possa haver uma variação genética (assim como no caso das mulheres em relação ao câncer de mama) que predisponha ao aparecimento dessas formas mais agressivas. A compreensão do porquê deste aumento, deverá ter um impacto na forma de se avaliar e escanear os homens, para a possibilidade dele ter um câncer na próstata. Sabe-se que um câncer mais agressivo diagnosticado na faixa dos 35 a 42 anos, é muito mais letal do que se fosse diagnosticado depois dos 60 anos.
Leia  matéria divulgada pelo Detroit Free Press:
http://www.freep.com/article/20140717/FEATURES08/307170033/prostate-cancer-younger-men-Michigan-research

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Herpes genital: um alerta!

Vale a pena alertar, pois tenho certeza que muitos homens gays desconhecem essa forma de transmissão do herpes genital: a transmissão manual!

Sabe aqueles encontros múltiplos nas saunas? Nas dark rooms? Nos banheiros públicos? Nos cinemas? Nos sexos grupais? Aqueles encontros onde todo mundo passa a mão em todo mundo, onde todo mundo pega no pênis do outro e logo em seguida, pega no próprio pênis. Pois então saiba que se você pegar no pênis de um homem que esteja com as lesões do herpes em atividade no pênis dele e logo em seguida colocar a sua mão de volta no seu próprio pênis, estará criando uma forma de transmissão da doença. Ou pior, a mesma transmissão acontecendo com as mãos de outros.

Como evitar? Ou não fazendo isso ou cobrindo o seu pênis com um preservativo. E alguém faz? Duvido!!! Mas fica o alerta.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Cuidado com a testosterona!!!

É difícil encontrar um homem gay que não conheça alguém que use anabolizantes para aumento da massa muscular. Ou até mesmo os utilize.

Pois então saiba e divulgue que o FDA, uma agência reguladora de produtos nos Estados Unidos, tem alertado as empresas que fabricam e distribuem medicamentos a base de testosterona neste país, a colocar nos rótulos um alerta, informando sobre a confirmação que o uso deste  medicamento aumenta a formação de coágulos nos vasos sanguíneos. E esses coágulos podem dificultar, até mesmo impedir, a chegada do sangue em órgãos vitais como o coração e o cérebro. Aí, já viu a complicação.

Embora cientistas tenham rebatido que isso só ocorre em indivíduos que têm essa predisposição a uma maior formação de coágulos, já há casos documentados em que essa situação, não existia.

O recado é o seguinte: EVITE ANABOLIZANTES SEM ORIENTAÇÃO E SEM ACOMPANHAMENTO MÉDICO. Para que serve um corpão debaixo da terra?

quinta-feira, 5 de junho de 2014

O câncer de próstata nos pênis "uncuts".

Pois é, parece que o estado do seu pênis pode influenciar, ou não, no aparecimento de um câncer na próstata.

Numa pesquisa que teve seus dados recentemente publicados num famoso jornal de urologia, o BJU International, divulgou-se que os homens que passaram pela cirurgia para a retirada do excesso de pele (o prepúcio) do pênis, tiveram uma redução em 45% do risco para o aparecimento de um câncer na próstata. Nos negros esse aumento foi ainda maior: 60%. Inexplicavelmente, esse procedimento cirúrgico não parece influenciar no risco, caso a cirurgia seja realizada até o primeiro ano de vida.

Já se sabe que o excesso de pele no pênis, contribui muito para a disseminação de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), sendo a AIDS uma delas. Também se sabe que há uma maior contaminação pelo vírus HPV nos homens com o excesso de prepúcio, os "uncuts". E cada vez mais se associa o câncer de próstata a uma origem infecciosa, sendo os vírus os mais suspeitos.

Então, como você recebe essa notícia, caso seja maior de 35 anos e seja um "uncut"? E você que é um "cut", porém já faz algum tempo? Fique calmo: continue se prevenindo das infecções e das DSTs e tudo ficará bem.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Abordagem para as dificuldades de ejaculação, chamada de "Ejaculação Retardada".

Muitos leitores têm feito perguntas a respeito deste assunto, que é a ejaculação retardada, uma situação em que homens não conseguem atingir o orgasmo no ato sexual, embora mantenham prolongadamente a ereção. Acredita-se que o percentual de homens que enfrente esse problema seja pequeno, 2% a 6%.
Além de muitas vezes causar danos físicos com o atrito prolongado do pênis (lembre-se de repetir a lubrificação do pênis mais vezes), pode causar danos emocionais ao relacionamento, afetando a autoconfiança de um e/ou de ambos parceiros.

Na maioria das vezes as causas que levam os homens a enfrentar esse problema tem origem emocional. O consumo de bebidas alcoólicas em excesso antes do ato sexual também pode contribuir, assim como o estresse crônico. Mas sabemos também que há causas orgânicas e terapias com alguns medicamentos como causa desse distúrbio.

Drogas utilizadas para o tratamento da depressão apresentam como efeito colateral, retardo ou até mesmo bloqueio da ejaculação. Tanto que muitas vezes são indicadas no tratamento da situação oposta, que é a ejaculação precoce. Nesse grupo temos os inibidores de recaptação da serotonina como fluoxetina, paroxetina e dapoxetina.

Os medicamentos indicados para melhor atingir e a sustentar a ereção também têm papel importante neste assunto. Sildenafila, vardenafila, tadalafila são as mais utilizadas, mas as injetáveis (papaverina, prostaglandina entre outras) também causam esse efeito.

Mas o fator emocional é sempre o mais frequente. É comum o homem se sentir constrangido ou inibido diante de um parceiro e pode apresentar dificuldade para ter o orgasmo. E quanto mais ele demorar a vir, o orgasmo, pior vai ficando.

Acredita-se que a masturbação seja um dos grandes responsáveis para o aparecimento da ejaculação retardada, uma vez que nesse momento o homem se toca e imprime a pressão desejada sobre o seu pênis, que durante a penetração não se repete e daí a dificuldade para atingir o orgasmo. A velocidade do movimento da masturbação também pode ser diferente da do ato sexual e temos mais um problema.

A ejaculação retardada também pode ser decorrente do abuso de  drogas e álcool e como consequência de doenças, como o Diabetes, distúrbios hormonais e doenças neurológicas como Esclerose Múltipla. O envelhecimento natural do homem também contribui.

Um tratamento que pode trazer benefícios é a terapia com ocitocina intranasal, aplicada uma hora antes do ato sexual. A ocitocina está relacionada com a melhora do humor e pode contribuir facilitando para que o orgasmo aconteça, principalmente se há um fator emocional contribuindo. A droga geralmente é obtida por manipulação farmacêutica (leia post publicado no blog Cid Zauli http://www.cidzauli.blogspot.com.br/2013/06/ocitocina-droga-que-poderevolucionar-o.html) e a maioria das clínicas de urologia tem um laboratório parceiro que pode manipular a ocitocina para seus pacientes.

Recentemente foram publicados estudos falando também sobre os resultados positivos na terapia a base de ioimbina, droga que no passado foi muito utiliazada para o tratamento das dificuldades de ereção. Hoje, esse é o primeiro passo para a terapia das dificuldades para ejaculação e a que demonstra melhores resultados.

E também temos as drogas utilizadas para tratamento da ansiedade, como a bupropiona e a buspirona,  mas que a compra exige receitas médicas controladas.

O importante é que seja sempre consultado um urologista para ver o que pode estar contribuindo para o quadro e às vezes, uma abordagem multidisciplinar pode ser necessária. 

terça-feira, 6 de maio de 2014

O homem gay na terceira idade.

Hoje vou escrever sobre a atividade sexual do homem com mais de 60 anos e que viveu o boom da atividade sexual no final dos anos 60, principalmente no caso de uma relação heterossexual, com o aparecimento da pílula.

O homem gay desta época, quando iniciou sua vida sexual, não tinha que se preocupar com o uso de preservativos. O uso da camisinha passou a ser uma necessidade a partir dos anos 1980 com o aparecimento da AIDS e até então, muitos realizaram (quase) todas as fantasias sexuais sem o uso da mesma.

Apesar dos esforços de marketing para transformar o uso do preservativo como algo prazeroso (sabores, texturas, cores), os que um dia praticaram o ato sexual sem uso de preservativos, não conseguiram engolir esse chavão e passaram a utilizá-la por medo e não por prazer.

E envelheceram, muitos hoje fora de um relacionamento estável. Com o aparecimento de drogas que devolveram a vida sexual, hoje têm enorme dificuldade para fazer uso do preservativo. E com isso, as doenças sexuais transmissíveis (DST) estão aumentando nessa faixa etária. O índice de diagnóstico de sífilis aumentou em 52% acima dos 65 anos. A realização de exames para detecção do vírus HIV e outras DST, é tão frequente quanto a realização de exames de colonoscopia, um exame muito comum de ser solicitado ao idoso.
Sexo muitas vezes significa vigor, saúde, sucesso e os idosos cada vez mais têm atividade sexual. As drogas devolveram, ou mantêm, a capacidade para a realização do mesmo. Mas é importante que esse homens tenham ciência da necessidade do uso do preservativo e precisam ter acesso à essa informação, de que  está sendo observado, o aumento dos índices de DST nessa faixa etária.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

O que você deve saber sobre a circuncisão. Melhor ter um pênis cut ou uncut?

Se tem uma coisa que a grande maioria dos homens gays dá importância, é se o pênis do companheiro é ou não circuncidado. Já escrevi um post aqui falando do estado "cut" e "uncut" dos pênis 
(http://uroblogay.blogspot.com.br/2013/10/cut-ou-uncut-o-que-essas-palavras-em.html). E hoje vou divulgar uma informação importante que levará os homens não circuncidados, a refletir sobre a higiene peniana.

Nos Estados Unidos é muito comum os recém nascidos passarem pela circuncisão e assim, a maioria dos homens são circuncidados. O mesmo acontece em situações religiosas, como é o caso dos judeus e muçulmanos. Já os outros povos, latinos por exemplo, só passam pela circuncisão se há a doença de fimose.

Vem sendo observado nos Estados Unidos uma diminuição na taxa dos recém nascidos que são submetidos à circuncisão. Nos anos 60 a taxa de recém nascidos submetidos à circuncisão era de 83% e nos anos 70, essa taxa caiu para 77%.

E o que isso acarretou? Um aumento na incidência de algumas doenças. Os pesquisadores concluíram que metade dos homens que não foram circuncidados, apresentarão alguma infecção em suas vidas, relacionadas à presença do excesso de pele (conhecida como prepúcio).

Cientistas comprovaram que nos pacientes não circuncidados, as taxas de infecção por bactérias e vírus, doenças sexualmente transmissíveis e até mesmo o câncer de próstata, tendem a ser mais elevadas.

Mas é importante realçar, que esse aumento da taxa tem relação com uma higiene deficiente do pênis. Então o alerta é o seguinte: você é uncut? Ou seja, não foi circuncidado? Capriche na higiene do seu pênis diariamente, principalmente após uma ejaculação. Nada de limpar a sujeira com um lenço ou papel e lavar o pênis horas depois. Leia também um post que comenta sobre hábitos saudáveis no caso das relações sexuais sem preservativos (http://uroblogay.blogspot.com.br/2013/10/cuidados-com-o-penis-numa-relacao-sem.html), muito comuns em casais monogâmicos, se é que existe algum.

terça-feira, 18 de março de 2014

Estados Unidos informa a detecção da transmissão do vírus HIV pela primeira vez, entre mulheres num relacionamento homossexual.

Embora esse site quando fale de sexo esteja se dirigindo ao homemgay, não podemos deixar de informar que os Estados Unidos acabam de confirmar o primeiro caso de transmissão do vírus HIV através do contato sexual num casal homossexual de mulheres.
Uma mulher de 46 anos teve o diagnóstico confirmado em 2012. O vírus dessa mulher era virtualmente idêntico ao vírus encontrado na parceira dela, que tinha suspendido o tratamento com os antirretrovirais desde 2008. Essa mulher tinha tido nos últimos 5 anos antes do diagnóstico, três outras parceiras diferentes e nega ter se submetido a situações de risco para a contaminação pelo vírus HIV, como realização de tatuagens, transfusão sanguínea, transplantes ou acupuntura.
As mulheres confirmaram sempre terem feito sexo sem proteção e que costumavam utilizar brinquedos e consolos para animar o ato sexual, às vezes de forma tão violenta, a ponto de provocar sangramento genital.
Cientistas e infectologistas afirmam que esta é uma forma muito rara de transmissão do vírus HIV, mas de agora em diante, há uma nova e importante mensagem sobre uma outra forma possível de contágio.
Leia uma das matérias publicadas pela imprensa e divulgada pel Huffington Post:
http://www.huffingtonpost.com/2014/03/13/female-to-female-hiv-transmission_n_4959332.html

segunda-feira, 10 de março de 2014

Será que você não deu uma "pisada na bola"?

Sempre é importante alertar o homem gay sobre um possível comportamento de risco e nesse caso, orientá-lo sobre o que fazer. E isso costuma ser muito frequente em época de festas, como é o caso do Carnaval.


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

Esse é um assunto que eu preciso sempre estar escrevendo alguma coisa a respeito: receber sexo oral no seu pênis sem preservativo PODE PASSAR DOENÇA SIM!

Obtenha o eBook do Uroblogay clicando aqui e leia mais sobre esse assunto.

Os tópicos incluídos no exemplar, são:


1) "Cut" ou "uncut": o que essas palavras em inglês significam e qual a relação com a fimose.

2) Cuidados com o pênis numa relação sem preservativo.

3) Os riscos de se receber sexo oral sem preservativo.

4) As ereções durante o exame físico de próstata.

5) O sexo anal e a próstata.

6) O tamanho da maioria dos pênis.

7) ESMEGMA: o que é isso?

8) Pênis “cut” ou “uncut”: trabalho mostra que a circuncisão pode mexer com a qualidade do prazer sexual.

9) CHECK-UP: exames urológicos que todo homem gay deveria fazer anualmente.

10) O médico não pode masturbar um paciente no consultório.







segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Não foi traição, foi falta de proteção!

Hoje vou escrever sobre um assunto, devido à grande quantidade de perguntas que têm sido encaminhadas abordando-o.

É muito frequente leitores estarem preocupados com o fato de estarem numa relação que eles consideram estável e apresentarem sinais de corrimento no canal urinário (a uretra). E aí me indagam se isso pode ter sido decorrente de uma traição do companheiro.

A maioria desses leitores faz penetração anal sem preservativo e todos, sem exceção, recebem sexo oral sem proteção também. Então meu amigo, aí está o problema: tanto o reto, como o ânus, a boca e a gargante, são regiões contaminadas por bactérias e fungos. E essa contaminação pode causar uma infecção na uretra, que chamamos de uretrite. Nesse caso há saída de secreção (pus) pela uretra e ardor para urinar.

Sugiro que vocês leiam também um outro post publicado neste blog, onde escrevo sobre cuidados que devem ser tomados com o seu pênis no caso de você ter relações com o(s) seu(s) parceiro(s) sem preservativo:
http://uroblogay.blogspot.com.br/2013/10/cuidados-com-o-penis-numa-relacao-sem.html 
E pare de pensar que o seu companheiro andou pulando a cerca, pare de imaginar que ele está te traindo. Talvez seja o caso de repensar a decisão de abandonar o uso de preservativos, que levou você a contrair uma infecção.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Aumenta a taxa de disseminação das Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Venho escrevendo frequentemente sobre vários tipos de DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) e uma nova informação que chega dos Estados Unidos, me incentiva mais ainda a continuar por esse caminho.


Uma entidade americana divulgou as taxas de diagnóstico de algumas DSTs e observou aumento no diagnóstico de gonorreia. Também observou o aumento em 11% nas taxas de diagnóstico da Sífilis. Quanto ao diagnóstico do contágio por Clamídia, assunto do último post nesse blog, esse continua estável.

Os médicos recomendam que todo indivíduo sexualmente ativo passe a realizar no mínimo uma vez ao ano, testes para saber se ele pode estar infectado.

E no caso do homem gay, recomendam que esse intervalo seja menor caso ele não esteja numa relação monogâmica e/ou seja usuário de drogas ilícitas.

Então é bom relembrar tudo que já foi escrito neste blog em posts anteriores sobre Sífilis, Clamídia, sexo anal sem preservativo que pode levar às infecções na uretra, na próstata e na bexiga. 

O seu papel é se proteger com o uso de preservativos, se auto avaliar para ver se faz parte do grupo que necessita de avaliações mais frequentes, dividir essa informação com os seus amigos e preocupar-se.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Clamídia: uma bactéria pouco conhecida, mas que infecta muitos homens gays.

A minha experiência é que o homem gay quando se preocupa com alguma doença sexualmente transmissível, que possa ter contraído numa descuidada relação sexual sem preservativo, é com a contaminação pelo vírus HIV.

Hoje vou colocar uma pulga atrás da sua orelha e falar sobre Clamídia, caso você ainda não a conheça.

A Clamídia é uma bactéria (na verdade existem 3 tipos e a que a que pode ser transmitida sexualmente é a Chlamydia trachomatis) que costuma se instalar na região da uretra, reto, garganta e próstata. Também causa infecção na mulher, mas o objetivo desse blog é alertar o homem gay.

Muitos homens gays estão infectados e desconhecem isso. São portadores da bactéria e acabam disseminando-a para os parceiros com quem se relaciona sexualmente sem preservativo.

Como mostra a foto acima, por estar presente nessas regiões, você está exposto a ser contaminado se faz e/ou recebe sexo oral, penetra e/ou é penetrado pelo ânus sem preservativo.

E como ela se manifesta? Muitas vezes o homem gay não apresenta nada, mas pode ter desde uma leve irritação na garganta, no canal urinário, no ânus, até a presença de secreção nessas regiões em grande quantidade.
É importante que o exame para Clamídia seja solicitado para todo homem gay anualmente, junto com os outros exames que já orientei nesse blog em outro post (http://uroblogay.blogspot.com.br/2013/10/check-up-exames-urologicos-que-todo.html). O tratamento é simples, rápido e eficaz.

Então, agora que você já conhece a Chamydia trachomatis, na sua próxima consulta com o seu urologista diga a ele que gostaria de fazer o exame de sangue, que mostrará se você está ou não contaminado.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

O que você deve saber sobre o medicamento TRUVADA, uma arma de prevenção contra a contaminação pelo vírus HIV.

O medicamento TRUVADA foi lançado em 2004 e já pode ser comercializado no Brasil. Na verdade o medicamento é formado por duas drogas que já vinham sendo usadas no tratamento dos pacientes HIV positivos: Emtriva e Viread. Nos Estados Unidos ele já é utilizado como uma arma na prevenção da contaminação pelo vírus HIV. Mas as autoridades alertam que medidas preventivas, como uso de preservativos, não devem ser abandonadas.

É um medicamento que deve ser administrado diariamente e que não está livre de efeitos colaterais, como diarréia, vômitos, náuseas e tontura, mas que diminui em até 44% a chance de contaminação pelo vírus HIV.

A droga pode ser administrada às pessoas de um grupo de risco, como é o caso dos homens gays, para prostitutas e casais sorodiscordantes (quando apenas um deles é HIV positivo).

O problema é que com essa nova opção de prevenção, muitos homens gays deixam de tomar "as tais medidas preventivas", que é o uso de preservativos no ato sexual.

E muitas vezes não seguem corretamente a terapia com a droga e assim, acabam se expondo mais. 

Muitos homens que já faziam sexo sem preservativo antes do lançamento do Truvada, admitem que hoje em dia utilizam menos ainda. E realmente foi constatado um ligeiro aumento nas taxas de contaminação, num estudo realizado nos Estados Unidos em 2011.

Então você deve pensar no Truvada como uma ajuda para não contrair o vírus HIV e não como uma opção para largar o uso da prevenção com o preservativo.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

"Pisada na bola!"

Acabaram as festas e muito provavelmente você ingeriu uma grande quantidade de bebida alcoólica. Isso te deixou mais alegre e com certeza mais bonito (a alegria embeleza, pois irradiamos uma vibração que nos faz mais belos), mais atraente, mais desinibido e mais confiante.

Às vezes acontece o contrário também, pois podemos estar passando por momentos difíceis, como perdas, saudade, distância. Mas o efeito da bebida também pode mudar o seu comportamento.

E essas mudanças de comportamento podem fazer com que a gente não pense muito bem sobre nossas atitudes, levando-nos a atos irresponsáveis e literalmente levando a gente a “dar uma pisada na bola”. E ainda tem o efeito da testosterona, que como costumo brincar com os meus pacientes, faz a gente passar a pensar com a “cabeça de baixo”.

Então vamos lá, é hora de refletirmos e lembrar se passamos por essas mudanças de comportamento e se “pisamos na bola” com atos que podem ter colocado a nossa saúde em risco (algumas vezes a do seu parceiro também), numa relação sexual com pessoas desconhecidas ou pouco conhecidas. Então está na hora de relembrar tudo que já foi abordado nesse blog desde Setembro de 2013, em relação aos atos sexuais desprotegidos.

SEXO ORAL: se não usou preservativo tanto ao fazer como ao receber, esteve exposto a Sífilis, Clamídia, HPV, Herpes, uretrites, prostatites, Hepatite B e se permitiu que ejaculassem na sua boca, esteve exposto ao HIV.

SEXO COM PENETRAÇÃO: se não usou preservativo, também esteve exposto às mesmas doenças só que de forma mais perigosa, principalmente se você foi penetrado sem proteção. 

E preciso te informar que o preservativo não é 100% seguro no caso das lesões que se transmitem por contato, como HPV, Herpes e Sífilis, caso elas se localizem fora da área que é coberta pelo látex.

E agora? A primeira coisa que tenho para te dizer é para ficar calmo e procurar o seu Urologista de confiança, expor os fatos e procurar realizar exames ou até mesmo tomar algum medicamento, que diminua os riscos de você ter contraído algo mais sério. Normalmente solicitamos exames de urina, de esperma e eventualmente de alguma secreção que comece a sair pelo canal urinário. Lesões na pele da região genital também podem logo na avaliação visual, receber um diagnóstico de algum tipo de DST (doença sexualmente transmissível). Mas os sinais e sintomas das doenças podem levar até 21 dias para começar a aparecer.

Os exames de sangue são solicitados também, mas esses precisam ser repetidos por um período de 3 meses pois a sua contaminação, caso tenha ocorrido e eu torço sempre para que isso não aconteça, ainda pode passar despercebida.

E se tem um parceiro, proteja-o usando preservativo nos próximos 90 dias pelo menos, até ter certeza que a sua saúde está em ordem. É complicado isso, né? Mas é o correto e percebo que muitos casais acabam adoecendo juntos, pelo fato de não serem fiéis a essa atitude de proteção ao próximo.